Em São Paulo, peruas passam por três tipos de avaliação

Marcelo Moreira

17 de janeiro de 2011 | 16h37

Isis Brum

Para circular em São Paulo, as vans escolares e os motoristas têm de ter cadastro e autorização da Prefeitura. Os veículos são inspecionados pela SPTrans, fazem a inspeção veicular e são avaliados pelo Inmetro, além de terem de cumprir obrigações legais do Código de Trânsito Brasileiro.

Dono de uma empresa que atua no ramo há nove anos, David Rodrigo Cavaleiro diz que a principal preocupação dos pais é com a segurança. “Eles sempre olham as condições do veículo antes de fazer o acerto”, conta Cavaleiro.

Rosângela Giorgetti Russo, que atua há cinco anos na zona sul da capital, afirma que as fiscalizações são rígidas, mas que ainda há pais que contratam vans clandestinas. “Eles precisam ficar atentos à segurança da criança”, observa.

DICAS

* Peça indicação a outros pais que já usaram ou usam o serviço

* O motorista deve ter 21 anos e ser habilitado na categoria ‘D’

* A van tem de ter autorização do Detran e os documentos de fiscalização da cidade em dia

* Anote o CPF, RG, telefone e  endereço do motorista

* As janelas não podem abrir mais que dez centímetros

* Todos os bancos devem ter cinto de segurança

* Deve haver um monitor para acompanhar o itinerário

* Observe como os profissionais recepcionam as crianças

* No contrato, deve haver previsão sobre pagamento nas férias e reforço nos períodos de recesso

* O transporte pode ser feito por autônomo, empresa ou escola

Tudo o que sabemos sobre:

Procontransporte escolar

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.