Eletropaulo: Aneel alega que faltam fiscais

Marcelo Moreira

20 de junho de 2011 | 17h16

Karla Mendes

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) quer aproveitar a crise da Eletropaulo para aumentar seu quadro de fiscais. A falta de funcionários foi uma das justificativas apresentadas pelo diretor do órgão, Nelson Hübner, quando o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, cobrou providências para conter o aumento das queixas dos consumidores contra a concessionária paulista.

“É inadmissível que uma empresa do porte da Eletropaulo, com tanto lucro, apresente tantos problemas”, reclamou o ministro Lobão, ao lembrar que a concessionária teve um lucro de R$ 1,35 bilhão no ano passado.

Quando Lobão recomendou à agência reguladora mais rigor na fiscalização, Hübner rebateu que a Aneel tem fiscalizado e punido “na medida do possível”. Ele argumentou que o serviço tem que funcionar em todo o País e, portanto, não há como intensificar a fiscalização na Eletropaulo e deixar outras distribuidoras de lado, por duas razões: a companhia paulista não é recordista em reclamações e a Aneel opera com déficit de fiscais já há algum tempo.

Na tentativa de contornar o problema, o ministro das Minas e Energia pediu à agência um estudo sobre o número atual de fiscais e a demanda de serviço, para que ele possa solucionar a questão.

Caso a dificuldade seja mesmo de déficit de pessoal, Edison Lobão pretende vai ao Palácio do Planalto reivindicar a abertura de concurso público para a contratação de fiscais.

Tudo o que sabemos sobre:

AneelEletropaulo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.