Dificuldade para assistir a jogos de futebol

Marcelo Moreira

17 de junho de 2009 | 18h40

Muita paciência é necessária para tratar com empresas de telefonia, emissoras de televisão por assinatura e planos de saúde. Quem acompanha as colunas de cartas de reclamações sabe como as empresas dos três setores prestam serviços péssimos. Eis mais um exemplo, que afetou o leitor Roberto Amarante, de São Paulo:

“Como comprei uma TV de plasma, a NET me orientou a assinar o plano digital que me daria direito a um ponto extra. Aceite a proposta, mas quando convidei uns amigos para assistir a um jogo, notei que só os canais de TV aberta estavam liberados. O técnico constatou que o ponto extra era clandestino e, até agora o serviço não foi regularizado pela NET que continua cobrando as mensalidades sem descontos. ”

RESPOSTA DA NET: Em contato com o cliente, confirmamos a normalização do sistema. A NET coloca-se à disposição.

COMENTÁRIO DA REDAÇÃO: O consumidor informou que continua sendo cobrado, mesmo não recebendo o sinal.

COMENTÁRIO DO ADVOGADO DE DEFESA: A cobrança pelo serviço que o consumidor alega não ter recebido é indevida e, caso tenha sido paga, o valor deve ser devolvido em dobro (como manda a lei). Além disso, o vexame que o sr. Roberto passou diante dos seus convidados, tudo por falta do serviço adquirido da NET, mais a acusação de que em sua casa havia sido instalado ponto clandestino, dá ao consumidor o direito de ser reparado por dano moral. Para isso, deve ir ao Juizado Especial Cível, até mesmo como forma pedagógica de forçar a NET a rever a sua forma de prestação de serviço e respeitar seus cliente.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.