Diferenciação de preços no cartão e à vista é reivindicação do comércio

Marcelo Moreira

12 Maio 2010 | 10h15

MARCOS BURGHI – JORNAL DA TARDE

 

A possibilidade de diferenciação de preço conforme o meio de pagamento utilizado é uma reivindicação do comércio. Os vendedores alegam que as taxas cobradas pelas administradoras de cartões de crédito são altas: variam de 2% a 5% do faturamento mensal das vendas com os plásticos, segundo informações do Sindicato dos Lojistas do Comércio de São Paulo (Sindilojas-SP).

O Código de Defesa do Consumidor proíbe a cobrança de preços diferenciados conforme o meio de pagamento utilizado. Em julho de 2009, o Senado aprovou a mudança da lei, abrindo a possibilidade da fixação de preços distintos para vendas com cartões, dinheiro ou cheques, mas no mês seguinte a nova regra foi vetada na Câmara dos Deputados.

Na opinião do economista Marcel Solimeo, o tema deve voltar à discussão agora que as regras de credenciamento dos lojistas estão sendo flexibilizadas, com o fim da exclusividade de Cielo (Ex-Visanet) e Redecard, e que o governo busca incrementar a concorrência no mercado de cartões.

Mais conteúdo sobre:

cartão de créditoProcon