Dicas para compra segura

crespoangela

26 de novembro de 2007 | 11h07

SAULO LUZ

Produto eletroeletrônico seguro evita acidentes e prejuízo financeiro. Só que não é o que as instituições de defesa do consumidor estão constatando nas prateleiras neste final de ano. Sobra defeito em mercadoria, já que testes mostram que há produtos, como aspirador de pó, em que nenhuma marca foi aprovada.
Para comprá-las com segurança o consumidor precisa tomar alguns cuidados para não jogar dinheiro fora e, se possível, até economizar.
Entidades como o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) e a Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Pro Teste) realizam testes comparativos de produtos e a primeira coisa que analisam é o item segurança. Se nesse quesito os produtos não são aprovados, não continuam o teste. “Quando isso acontece, o problema é gravíssimo, pois o produto representa um risco para o consumidor”, alerta Guilherme Barneth, engenheiro e pesquisador da Pro Teste e especialista em eletroeletrônicos.
A Pro Teste analisou em 7 anos mais de 120 tipos de eletroeletrônicos e eletrodomésticos comercializados no Brasil e na maioria foram encontrados graves falhas de segurança. Ferros de passar e aspiradores de pó, por exemplo, a orientação é que não sejam comprados ou sejam usados com muito cuidado, pois quase nenhuma das marcas comercializadas no mercado brasileiro está dentro das normas de segurança elétrica.
No caso dos aspiradores de pó os resultados não foram animadores. Foram testados cinco aparelhos convencionais de maior presença no mercado nacional das marcas Arno, Electrolux, e Mallory e todos foram eliminado”reprovados” por graves problemas de aquecimento bem acima do permitido pelas normas de segurança da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), podendo causar o derretimento dos componentes e até provocar curtos-circuitos internos.
No mais recente dos testes em eletrodomésticos feitos pela Pro Teste, foram analisados seis modelos de ferros de passar roupa das marcas Arno, Black & Decker, Britânia, Electrolux e Mallory. Quatro foram reprovados. “O ferro de passar puxa muita energia. Quando a corrente é alta, o fio esquenta muito e pode derreter causando curto-circuito. Por isso é importante que o consumidor observe que, quanto maior a potência do aparelho, mais grosso deve ser o fio do produto”, completa Barneth.
Em outro teste, realizado no fim do ano passado, a Pro Teste avaliou três modelos de churrasqueiras elétricas, seis grills, seis sanduicheiras e três minifornos elétricos. Nenhuma das churrasqueiras elétricas foi aprovada por problemas de ausência de proteção no plugue. Dos seis grills, somente um passou no teste de segurança, resultado semelhante ao das sanduicheiras. No total, dos 18 eletrodomésticos testados, 16 foram eliminados por falta de segurança, pois ofereciam riscos de queimaduras e choques.
Já o Idec diz que é comum encontrar algumas falhas de segurança, às vezes com discordância da norma técnica, além de produtos com mau desempenho. Na opinião de Marcos Pó, engenheiro eletricista do Idec, o consumidor tem motivos para ficar desconfiado. “Apesar de ter melhorado a fiscalização, as últimas vezes que avaliamos, em 2005, foram antes dessa ‘invasão de produtos chineses’. Portanto, não sabemos se a situação melhorou”, completa.

Ferros de passar
Deficiências de segurança elétrica – são freqüentes o superaquecimento e o cordão de alimentação é mais fino do que o ideal. Quando a corrente elétrica é alta, o fio aquece demais e pode derreter causar curto-circuito

PROBLEMAS APRESENTADOS
Aspirador de pó
Graves problemas de falta de segurança elétrica. Foi constatado que as peças dos aparelhos apresentam aquecimento bem acima do permitido pelas normas de segurança, ocasionando o derretimento dos componentes e até curtos-circuitos internos
Sanduicheiras
Ausência de proteção no plugue. Apesar de não haver problemas graves na temperatura das empunhaduras, as tampas aquecem acima do normal, que podem causar queimaduras ou choques


COMO COMPRAR COM SEGURANÇA

[Para fazer uma compra de
Natal mais segura, é importante que o consumidor obtenha o
máximo de informações
sobre o fabricante, a loja e a
procedência do produto
adquirido
O consumidor pode obter informações sobre as
empresas mais reclamadas no Cadastro de Reclamações
Fundamentadas do Procon em seu site procon.sp.gov.br
Acesse também o site do Idec (www.idec.org.br) e da
ProTeste (www.proteste.org.br)
e confira neles os testes realizados em produtos
Para saber se o produto que está comprando possui selo do Inmetro ou está de acordo com as normas e legislação, busque informações na página
do Ipem (www.ipem.sp.gov.br) ou do próprio Inmetro
(www.inmetro.gov.br)

Empresas contestam os testes realizados

Sobre os testes de ferro de passar realizados pela Pro Teste, a Black & Decker informa que seus produtos estão em conformidade com as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). O modelo analisado é importado e foi solicitado à fábrica que corrija o problema.
A Walita diz que seus aparelhos são certificados e atestados quanto ao aspecto segurança elétrica com base nas normas internacionais européias IEC, cujas referências são aplicadas no Mercosul. Informa ainda que a Pro Teste precisa validar suas informações com base em referências normativas para que não haja dúvidas na interpretação dos resultados. Já a Arno informou que não comenta testes da Pro Teste. O procurou outras três fabricantes, Electrolux, Mallory e Britania, mas as empresas não foram encontradas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.