Dicas de como regularizar a vida financeira

Nome sujo causa uma série de problemas e constrangimentos. Veja as formas de resolver pendências e pagar dívidas para se livrar de incômodos, como rejeição em pedidos de financiamento, por exemplo

Marcelo Moreira

09 de outubro de 2010 | 20h19

CPF

* Em caso de perda ou extravio da 1ª via do Cadastro de Pessoa Física (CPF), solicite a 2ª via junto às agências do Banco do Brasil ou Caixa Econômica Federal. É preciso levar o documento do interessado (que comprove a filiação e data de nascimento) e um documento que comprove a inscrição no CPF. A emissão do novo documento custa R$ 5,50

TÍTULO PROTESTADO

* Dirija-se ao cartório que registrou o protesto e solicite uma certidão

* Comunique-se com quem realizou o protesto, regularize o débito e peça uma carta de comprovação

* Reconheça a firma da pessoa ou empresa volte ao cartório e solicite o cancelamento

* Entregue a certidão na instituição para a baixa do débito

CHEQUE DEVOLVIDO

* Procure a agência do banco no qual ocorreu o problema

* Solicite informações sobre o cheque

* Verifique para quem foi passado, procure-o a fim de regularizar o débito e recuperar o cheque

* Prepare uma carta conforme orientação do gerente da sua conta no banco que informou a ocorrência

REGISTRO DE DÉBITO

* Para a regularização desse tipo de dívida, o consumidor deve procurar a instituição ou empresa credora e negociar uma maneira de quitar o débito

* Uma vez definida uma forma de saldar a dívida, a empresa envia o comunicado para a exclusão do débito. O prazo legal para que o nome seja retirado do cadastro é de cinco dias

ONDE IR

* Associação Comercial de São Paulo (ACSP) – Rua Boa Vista, 62, Centro, de segunda-feira a
sexta-feira, das 8h às 17h

* Serviço Serasa Gratuito de Orientação ao Cidadão – Rua Antônio Carlos, 434, térreo, próximo à estação Consolação do Metrô, de segunda-feira a sexta-feira, das 8h às 17h

DICAS

* Para quitar as dívidas em atraso, o consumidor pode tentar renegociar os débitos, estendendo o parcelamento para um valor mensal que ele poderá pagar

* Se o juro for muito alto, os especialistas em finanças pessoais aconselham que o inadimplente some o total da dívida, busque um empréstimo de juros menores (crédito consignado é o mais indicado) e quite a dívida geral, ficando apenas com uma conta para pagar

* Não é recomendado fazer nova compra, mesmo que o nome já esteja limpo. O ideal é não comprometer mais de 30% da renda mensal familiar com prestações, seja de compra de mercadorias, dívidas ou empréstimos

* Antes de realizar a renegociação de dívida, é interessante o endividado fazer uma análise de suas finanças para saber em que está gastando. Assim ele saberá quais são os gastos essenciais, quais são os que podem ser cortados e quanto sobra para pagar as dívidas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.