Descaso em furtos nos estacionamentos de supermercados

Marcelo Moreira

14 de setembro de 2009 | 22h18

A falta de sensibilidade e de bom senso das redes de super e hipermercados – bem como de shoppings – que atuam no Brasil é revoltante. São cada vez mais frequentes furtos e arrombamentos de veículos nos estacionamentos, em casos absurdos de total falta de segurança. E as empresas não têm vergonha de negar a responsabilidade, mesmo com diversas decisões judiciais a favor dos consumidores. Veja mais um exemplo de descaso, desta vez no relato do leitor Marcos de Andrade Melo, de São Paulo:

“Deixei meu carro no estacionamento do Carrefour Cambuci e, quando voltei das compras, notei que o vidro estava aberto e os papéis que estavam no porta luvas foram espalhados pelos bancos da frente. Além disso, o aparelho de som havia sido levado.

Mostrei o estrago ao segurança do estacionamento e fui orientado a fazer um boletim de ocorrência e encaminhá-lo ao departamento jurídico da empresa junto com uma cópia do RG, da carteira de habilitação, documento do carro e do comprovante de compras daquele dia.

Entreguei todos os documentos solicitados ao chefe de segurança, que se comprometeu a encaminhá-los ao departamento responsável. Porém, até hoje, não recebi um retorno.”

RESPOSTA DO CARREFOUR: O Serviço Amigo do Cliente informa que, tão logo teve acesso ao relatado, contatou a direção da loja para os devidos esclarecimentos. Após análise, a direção informou que o ressarcimento não poderá ser realizado, uma vez que o próprio cliente informou no boletim de ocorrência que não houve arrombamento ou dano na porta. O SAC se coloca à disposição para quaisquer informações necessárias por meio do telefone 0800 724 2822, e-mail ou chat (no site www.carrefour.com.br) diariamente, das 9h às 21h.

COMENTÁRIO DA REDAÇÃO: O consumidor informou que o problema não foi resolvido.

COMENTÁRIO DO ADVOGADO DE DEFESA: Um carro arrombado é forte indício (quase uma prova)de que isso não aconteceu por uma simples diversão ou contemplação de quem praticou o arrombamento. A presunção legalmente aceita é a de que a entrada no carro tenha ocorrido para a prática do roubo do aparelho de som.

O consumidor deve recorrer à Justiça (pode ser o Juizado Especial Cível) e exigir a reparação do dano referente ao aparelho de som, mais o estrago causado no carro. Feito isso, sem a apresentação da prova pelo Carrefour de que o veículo não foi danificado dentro do estacionamento, o supermercado terá de reparar o dano.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.