Débitos lideram queixas no BC

Marcelo Moreira

26 de março de 2011 | 08h23

Gisele Tamamar

Os casos envolvendo débitos não autorizados completaram “aniversário” de um ano no topo do ranking de reclamações apurado pelo Banco Central (BC) no mês passado. Desde fevereiro de 2010 até mesmo mês deste ano, os problemas relacionados a retirada irregular de dinheiro na conta somaram 1.548 queixas envolvendo as seis principais instituições bancárias com mais de um milhão de clientes. O pico de reclamações foi registrado em janeiro com 166 ocorrências.

Antes dos débitos não autorizados, a liderança do ranking já havia sido ocupada por reclamações de operações não reconhecidas em caixas eletrônicos (janeiro de 2010) e tarifas (agosto de 2009). Mas durante quatro meses de 2009, os casos de débitos já ocuparam o primeiro lugar na lista.

Na separação por instituições, o Banco do Brasil aparece com o maior número de ocorrências no período de um ano: 548. Em seguida estão Bradesco (300), Itaú (274), Santander (242), Caixa Econômica Federal (170) e HSBC (14).

Para a economista do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Ione Amorim, o cenário mostra a necessidade de uma fiscalização mais intensa por parte da autoridade monetária. “Os maiores bancos estão desrespeitando normas e o Código de Defesa do Consumidor. Uma situação que não pode acontecer”, diz.

Em sua opinião, o número de casos de débitos não autorizados deve ser ainda maior, já que muitas pessoas não formalizam a queixa ao BC. “Alguns clientes não querem se aborrecer ou não têm tempo para reclamar e acabam deixando a situação de lado, perdendo dinheiro”, diz Amorim.

A engenheira Ana Lúcia Silva, 37 anos, se aborreceu, mas conseguiu recuperar R$ 111,81 referentes a uma renovação de seguro imobiliário não autorizada. O valor foi descontado no dia 30 de janeiro e ela só teve o valor devolvido em 18 de março. “Foi um processo desgastante para conseguir o dinheiro de volta”, conta a engenheira, que precisou ligar diversas vezes ao banco e à seguradora, além de enviar sua queixa para a coluna Advogado de Defesa do Jornal da Tarde.

Segundo a economista do Idec, o consumidor precisa ficar atento aos seus direitos e caso perceba algum débito que ele não reconhece deve procurar o banco. Se mesmo assim não conseguir resolver o problema, é importante procurar o BC (www.bcb.gov.br) para registrar a reclamação.

O BC informa que não tem uma medida específica em relação aos débitos, mas que utiliza as informações do ranking para montar seu plano de fiscalização.