Cuidado com o golpe do ‘fiscal do Inmetro’

Marcelo Moreira

29 de março de 2012 | 07h14

Saulo Luz

Criminosos se passando por falsos fiscais do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) estão visitando residências pelo Brasil, ameaçando os moradores com supostas multas e aplicando golpes. O alerta é do próprio Inmetro, que percebeu aumento de 200% em 2011 nas denúncias feitas na ouvidoria contra a atuação de falsos fiscais do instituto.

Os golpistas usam o nome do Instituto para entrar em residências e cobrar altos valores pela troca de produtos certificados – na maioria das vezes, mangueiras de gás de cozinha e reguladores. O regulador de gás é conhecido como “click”, registro ou válvula de gás e serve para abrir e fechar a passagem do gás de cozinha e conecta a mangueira ao botijão.

Segundo relatos de vítimas, os falsos fiscais abordam as vítimas em casa, alegando que estão fiscalizando as instalações do gás. “Eles chegam com falsos coletes e crachás do Inmetro e convencem a pessoa a deixá-los conferirem o botijão”, diz Julieta Simas, chefe da Ouvidoria do órgão.

Depois de “analisarem”, os golpistas dizem que o regulador e a mangueira estão com problemas e precisam ser trocados. “Chegam a cobrar R$ 300 por um kit que custa, de fato, R$ 22. Se o consumidor não aceitar, ameaçam multar e dizem que há risco de explodir”, alerta Julieta.

Ela recomenda que o consumidor que for abordado por falsos fiscais deve chamar a Polícia Militar (telefone 190) e denunciar na ouvidoria do Inmetro (0800 285 1818). “É importante alertar que o Inmetro não fiscaliza em residências e não vende nada. Esses homens são criminosos.”

A maioria do casos ocorre nos Estados de São Paulo, Goiás, Minas Gerais, Piauí e Maranhão. Em São Paulo, o aumento nas denúncias foi de 60%. O problema está preocupando tanto o Inmetro que o órgão produziu um vídeo para alertar os consumidores sobre o problema. O vídeo está disponível no canal do instituto no YouTube (www.youtube.com/tvinmetro).

 “É inegável a importância de divulgar a ação desses criminosos, por meio de filmes institucionais que alertem a sociedade e que auxiliam na proteção do cidadão”, diz Julieta.

Selo é obrigatório

É bom lembrar ainda que tanto o regulador quanto a mangueira e o próprio botijão são itens certificados compulsoriamente no Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade e precisam ter o selo do Inmetro para serem comercializados . “No regulador e no botijão de gás o selo deve ser impresso em relevo”, avisa Julieta.

Além disso, todo botijão de gás deve trazer um lacre sobre a válvula – que não pode estar violado e deve apresentar a marca da distribuidora. Já a mangueira deve ser feita de material incolor (PVC) e ter uma faixa amarela ao longo do comprimento, contendo a marca de certificação, o prazo de validade, e o nome do fabricante.

Tudo o que sabemos sobre:

Inmetro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: