Crédito mais fácil e prazo maior para consignado e carro

Marcelo Moreira

29 de maio de 2009 | 19h15

CAROLINA DALL’OLIO – JORNAL DA TARDE

A maior oferta de crédito, a juros mais baixos e prazos mais longos fizeram os empréstimos pessoais (que incluem o crédito consignado e o crédito direto ao consumidor – CDC) atingirem a marca de R$ 12,445 bilhões em abril – uma alta de 10,9% em relação a março, informa o Banco Central.

Os bancos têm facilitado a tomada de empréstimo em várias modalidades de crédito – em especial, naquelas em que é oferecido algum tipo de garantia em caso de inadimplência.

No consignado, por exemplo, Santander e Real anunciaram ontem a ampliação do prazo de financiamento de 60 para 72 meses, a juros de 1,5% ao mês. Neste tipo de empréstimo, o risco de calote é mínimo, pois as parcelas são descontadas diretamente do salário do trabalhador ou do benefício dos aposentados.

Para o financiamento de veículos, o consumidor também ganhou mais tempo para pagar. O Bradesco ampliou de 60 para 80 meses o prazo máximo de financiamento de carros zero quilômetro.

A alteração segue movimento já registrado em outras instituições financeiras de grande porte. Nas duas últimas semanas, Grupo Santander e Itaú Unibanco anunciaram que o número máximo de prestações mensais passou de 60 para 72.

O Bradesco pede uma entrada mínima de 20% cobra uma taxa mínima de 1,20% ao mês para os correntistas – antes, os juros eram de 1,52%. As novas condições farão com que a prestação fique até 18% mais barata, o que possibilitará que mais pessoas acessem esse crédito, afirma Ademir Cossiello, diretor executivo do Bradesco.

Segundo o executivo, a ampliação dos prazos foi possível porque há indicações de que a taxa de desemprego deixará de crescer e, com isso, a inadimplência tende a ser mais controlável.

O financiamento da casa própria também já está mais barato. Como mostrou o JT, Banco do Brasil, Bradesco, Nossa Caixa e HSBC baixaram os juros desta modalidade de crédito nesta semana.

Para Ricardo Torres, professor de finanças da Brazilian Business School (BBS), enquanto o futuro da economia estiver cercado de incertezas, os bancos vão se focar cada vez mais em empréstimos de baixo risco e alta rentabilidade.

“Para as instituições financeiras, neste momento vale a pena facilitar a concessão de crédito em que há algum tipo de garantia, como o consignado, o financiamento imobiliário e de veículos”, justifica. “Nessas modalidades, podemos esperar que os juros caiam ainda mais nos próximos meses. Por isso, quem puder esperar um pouco mais, deve encontrar condições ainda melhores.”

Ao que parece, a escassez de crédito ficou para trás. O volume total de empréstimos do mês de abril, segundo o BC, chegou a R$1,248 trilhão, um recorde absoluto.

Embora a inadimplência ainda esteja 5,2% – o patamar mais alto desde 2000 –, os bancos já enxergam melhoras no cenário econômico e estão menos temerosos na hora de emprestar. “Por isso, as condições hoje são mais atrativas”, justifica Rafael Paschoarelli, professor da Fundação Instituto de Administração (FIA).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: