Convênios: médicos paralisam atendimento

Marcelo Moreira

26 de abril de 2012 | 16h04

Lígia Formenti e Fernanda Bassette

Os médicos que atendem planos de saúde iniciaram ontem a paralisação das consultas durante 24 horas. A suspensão (para atendimentos que não são de urgência e emergência) ocorre em 12 estados. Os médicos reivindicam reajuste no valor das consultas, cirurgias e procedimentos. Hoje eles recebem, em média, cerca de R$ 50 por uma consulta feita por plano.

Eles querem R$ 80. Eles também querem garantia de pagamento em dia e a formalização de um contrato. Um grupo formado por cerca de 500 médicos fechou por quase duas horas uma das faixas da Avenida Paulista, em São Paulo, no sentido da Rua da Consolação, durante manifestação para reivindicar reajuste. Até o fim da tarde, não havia um balanço da adesão ao movimento.

Representantes do Conselho Federal de Medicina, da Associação Médica Brasileira e Bichara entregaram ontem, na Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), um documento com as 15 principais reivindicações dos profissionais que trabalham com operadoras de saúde. Entre os itens estão a criação de um piso, de data-base para reajuste de honorários e de penalidades para pagamentos feitos pelas operadoras aos médicos fora do prazo. Uma nova reunião com a ANS ocorre em 14 de maio.

Tudo o que sabemos sobre:

convêniosplanos de saúde

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.