Consumidor enfrenta dificuldade para marcar cirurgia pela Avimed

Marcelo Moreira

24 de abril de 2009 | 23h14

A crise que atinge a Avimed, operadora de planos de saúde, é grave e a solução ainda está longe do fim. E os conveniados continuam enfrentando tormentos inaceitáveis, como o leitor Carlos Seabra Júnior:

“Procurei um médico credenciado do meu plano de saúde a Avimed, pois estou com problemas para dormir. Fui examinado e informado que deveria fazer uma cirurgia. O procedimento foi marcado, mas, na data da operação, informaram que o hospital onde eu ia ser atendido não era mais credenciado. Consultei um médico diferente e marquei a cirurgia em outro local. Dias depois, porém, avisaram o local escolhido não realizaria mais cirurgias.”

RESPOSTA DA AVIMED: Lamentamos o transtorno e informamos que a cirurgia já foi liberada, devendo o associado agendar consulta com o médico solicitante.

COMENTÁRIO DA REDAÇÃO: A mulher do consumidor, Estela Seabra, informou à coluna que a cirurgia já foi feita.

COMENTÁRIO DO ADVOGADO DE DEFESA: O serviço falho, que agrava o estado de saúde e o sofrimento do consumidor enfermo, enseja reparação por dano moral, até mesmo como medida corretiva à mazela. Mesmo no caso da Avimed, em que a empresa está sendo vendida, o novo comprador da carteira assume a obrigação de indenizar em casos como este.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.