Compre cadeirinha segura e certificada

Com a entrada em vigor da lei que obriga o uso de cadeira veicular para crianças, os pais devem escolher com atenção e cuidado o dispositivo de retenção

Marcelo Moreira

06 de junho de 2010 | 09h41

Saulo Luz

 A partir do dia 9 de junho, quem transportar crianças de até 7 anos e meio fora de cadeirinhas especiais (os chamados dispositivos de retenção) no banco de trás do carro, pode perder 7 pontos na carteira de motorista e levar multa de R$191,54.

Mas o consumidor que ainda não comprou a cadeirinha não deve se desesperar e comprar qualquer modelo. Pelo contrário, deve ficar atento e escolher o equipamento de forma criteriosa para que a criança não corra riscos.

E o primeiro cuidado que os pais devem tomar é selecionar apenas modelos que possuem a etiqueta de certificação do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro).

“A obrigatoriedade é nacional e vale para produtos nacionais e importados. Se algum comerciante insistir em colocar na prateleiras um produto não certificado, o consumidor deve denunciar o estabelecimento à ouvidoria do Inmetro (0800 285 1818) e a loja poderá ser multada”, diz Gustavo Kuster, chefe da Divisão de Programas de Avaliação da Conformidade do instituto.

Atualmente existem 90 modelos diferentes de cadeirinhas, entre importados e nacionais, certificados pelo Inmetro. As 8 marcas que levam o selo são Britax, Burigotto, Chansports, Chicco, Galzerano, Infanti, Lenox, Peg Perego.

 Antes de comprar o acessório, os pais devem levar em consideração o peso e a altura da criança. Há dispositivos de retenção que podem ser usados por crianças de até 10 anos aproximadamente.

Outro cuidado fundamental (na hora da escolha), além de verificar se o produto leva o selo da inspeção do Inmetro (veja a classifiação dos dispositivos ao lado), é que a cadeirinha deve ser escolhida de acordo com a idade, peso e altura da criança.

Tudo o que sabemos sobre:

cadeira veicularcadeirinhaInmetro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.