Combustível lidera queixas no Ipem-SP

Marcelo Moreira

05 de julho de 2012 | 08h42

FLAVIA ALEMI

 A média de denúncias mensais encaminhadas ao Instituto de Pesos e Medidas do Estado (Ipem-SP) aumentou 21,8% entre janeiro e maio deste ano em relação a igual período do ano passado. Em 2011, a média mensal foi de 110 queixas, um total de 1.324 registros. Já neste ano, entre os meses de janeiro a maio, o Ipem-SP recebeu 668 reclamações, uma média de 134 ao mês.

O ranking do Ipem-SP revela que as bombas medidoras de combustível foram o produto mais reclamado, com um total de 279 queixas. Desse número, 240 queixas foram atendidas e concluídas pelo instituto, que reprovou 25 delas que estavam fornecendo combustível a menos do que o contratado.

O superintendente do Ipem-SP, José Tadeu Penteado, ressalta que trabalha com a proteção ao consumidor e procura fiscalizar os serviços antes que eles apresentem alguma lesão física, moral ou financeira.

“As bombas de combustível não podem ser verificadas pelo consumidor comum. Por isso, recomendamos atenção ao encher o tanque do veículo. Quando o combustível assenta, é possível verificar pelo medidor do carro se o tanque está cheio mesmo ou não”, afirma Penteado.

No setor alimentício, os peixes embalados obtiveram o índice de reprovação mais alto, com 46,4%. Penteado explica que esses peixes são congelados em sistema glaceado, o que permite a separação em laboratório entre a água liberada pelo animal e a água do gelo. “No total das verificações analisadas e concluídas pelo Ipem-SP, 13 peixes foram reprovados por apresentar peso diferente do que era informado na embalagem”, observa o superintendente.

O Ipem-SP recomenda que os consumidores registrem reclamações pelo número 0800 0130522 quando suspeitarem da conformidade dos produtos e serviços prestados. A queixa fica gravada no site e é possível acompanhar sua resolução periodicamente. “A maioria das pesquisas que realizamos parte das reclamações da população. Portanto, é muito importante o engajamento do consumidor”, ressalta Penteado.

 

Tudo o que sabemos sobre:

IpemIpem-SP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.