Cobranças indevidas e perpétuas

Marcelo Moreira

21 de setembro de 2009 | 23h28

Paciência é um artigo em falta em tempos de completo desrespeito ao consumidor. O caso do leitor José Roberto Niero, de São Paulo, não necessita de maiores complementos:

“Em contato com a central de atendimento Carrefour, solicitei que o valor total de minha fatura fosse debitada automaticamente de minha conta corrente. Quando recebi a fatura do mês seguinte, notei que o número da agência não conferia com o que eu tinha informado.

No mesmo dia informei o erro a atendente da empresa que me garantiu que, no sistema, o número estava correto. Dias depois, recebi uma carta da administradora do cartão dizendo que eu possuía um débito em aberto e que, por isso, meu cartão seria bloqueado.

Em contato com a central de atendimento, informei novamente meus dados e fui orientado a fazer o pagamento sem os encargos, multas, juros etc. Estou descontente com os transtornos que tive de enfrentar por conta deste engano e não confio mais nessa empresa.”

RESPOSTA DO CAREFOUR: Em contato com o cliente, prestamos os esclarecimentos necessários e o orientamos quanto à solução do caso em questão. Permanecemos à disposição para mais esclarecimentos.

COMENTÁRIO DA REDAÇÃO: O consumidor informou que foi ressarcido, mas recebeu uma nova cobrança indevida.

COMENTÁRIO DO ADVOGADO DE DEFESA: É inadmissível que tantos funcionários do Carrefour atendam ao consumidor e só consigam aumentar a incerteza e confusão quanto ao pedido de débito automático solicitado pela cliente do cartão. E não adianta somente agora, após a reclamação ao Jornal, aparecerem com a solução do caso. Confusões como essas deve ser evitadas e as cobranças indevidas devem ser devolvidas em dobro, assim como prevê o Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.