Cliente da Greenline não consegue atendimento

Marcelo Moreira

19 de maio de 2011 | 18h38

Camila da Silva Bezerra

Ex-clientes da Samcil e Serma, com problemas para conseguir atendimento em seus antigos planos de saúde, não estão aliviados com a compra das empresas pela Greenline. Desde 4 de maio, pelo menos 210 pessoas não conseguem agendar consultas e exames por meio da central de agendamento.

Das 700 ligações relacionadas à Greenline recebidas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) neste mês, 300 eram queixas, sendo que 70% são dos novos clientes que não conseguem dar continuidade aos tratamentos e agendar consultas.

O exame oftalmológico de Eugenio de Souza Pereira Neto deveria ter sido feito ontem, mas por conta da falta de orientação da Greenline, o aposentado que sofre de catarata perdeu a avaliação. “Mandei um e-mail à empresa no dia 12, pedindo orientação para o exame que eu tinha marcado para hoje (ontem) e não recebi resposta.” Sem previsão para ser atendido, ele marcou uma consulta para julho em um hospital público.

Já a bancária Rogelia Lens Perez precisa de um ortopedista, mas não teve resposta da operadora. Desnorteada, ela diz que continua a pagar o plano apenas para ter um “hospital’ onde cair”.

Conveniada há dois anos e meio, Daniela Carvalho está grávida e saiu de São Bernardo do Campo no último sábado para ir ao ginecologista na Mooca, em hospital próprio da Greenline. Porém, não havia médico para atendê-la. Daniela ressalta que o problema com atendimento não é de hoje.

De todas as reclamações, a ANS não constatou recusa de atendimento. Leila Cordeiro, diretora de atendimento do Procon, diz que o órgão acompanha a transição e que em caso de negativa, vai cobrar medidas da Greenline.

Segundo a Greenline, “a eventual dificuldade de atendimento nos telefones de marcação de consultas pode ser, provisoriamente, contornada por meio do agendamento via telefone diretamente com as unidades credenciadas”.