Cheques sem fundos caem 11% em agosto ante julho, diz Serasa

Marcelo Moreira

21 de setembro de 2009 | 16h41

DA AGÊNCIA ESTADO

O número de cheques devolvidos no Brasil caiu 11% em agosto ante julho, mostra o Indicador Serasa Experian de Cheques sem Fundos, divulgado nesta segunda-feira, 21. De acordo com os técnicos da Serasa Experian, a melhoria da situação da economia, associada ao aumento dos postos de trabalho, sobretudo os com carteira assinada, explicam a queda.

O efeito calendário, com os dois dias úteis a menos em agosto, também é citado como facilitador do declínio. Segundo o indicador, em agosto, foram devolvidos 19,6 cheques a cada mil compensados – de todos os honrados, 1,96% voltou.

Em julho, os retornos de ordens de pagamento foram 2,21% da soma de compensados – 22,1 a cada mil honrados. A Serasa lembra que o cheque é considerado sem fundos a partir da segunda devolução.

Já entre o acumulado de janeiro a agosto de 2009 sobre o mesmo tempo de 2008, os cheques sem fundos aumentaram 14,2%. Nos oito primeiros meses do ano, foram devolvidos 22,5 cheques por mil compensados (2,25% de inadimplência), e, na mesma época de 2008, foram 19,7 por mil (1,97% de devoluções).

A ampliação na quantidade de cheques sem fundos também é mostrada na variação anual, de agosto de 2009 sobre o mesmo mês de 2008, com 8,9%. No oitavo mês de 2008, foram devolvidos 18 cheques a cada mil compensados (1,8%).

Os técnicos salientam que o cheque foi a opção do comércio para financiar os clientes no período mais grave da crise da economia global – o primeiro trimestre do ano -, quando a inadimplência chegou a 23,6 cheques devolvidos a cada mil compensados, 2,36%, um recorde histórico. No segundo trimestre, o indicador era 22,5 cheques devolvidos a cada mil compensados (2,25%). No quarto bimestre (julho e agosto), o resultado é de 20,8 devolvidos a cada mil (2,08%).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.