Cadê o professor do curso? Cadê o curso?

Marcelo Moreira

17 de junho de 2009 | 18h44

Total falta de respeito. Um prestador de serviço que oferece curso e o mesmo não é ministrado é o cúmulo da falta de compromisso com o consumidor, como narra a leitora Cibele R. da Silva Teodoro, de São Paulo:

“Assinei um contrato no Instituto Embelleze, segundo o qual eu poderia fazer aulas de cabelo, penteado e maquiagem que começariam no início de abril.

A escola ficou de ligar dias antes para confirmar o início das aulas, porém, não recebi um retorno. Em contato com o instituto, fui informada que as aulas começariam em uma semana, o que não ocorreu.

O curso foi adiado ainda uma vez mais e, finalmente, no dia marcado para o início das aulas, meus colegas e eu ficamos 40 minutos esperando pelo professor, que não compareceu. Fiquei muito descontente e deixei claro que não me interessava mais pelo curso. Quero cancelar o contrato e receber o valor referente à primeira parcela que paguei.”

RESPOSTA DA EMBELLEZE: A empresa não respondeu à coluna.

COMENTÁRIO DO ADVOGADO DE DEFESA: A consumidora tem o direito de ir ao Juizado Especial Cível mais próximo e exigir o cancelamento do contrato e a devolução dos valores pagos corrigidos, bem como dano moral porque foi vítima de diversos adiamentos do início do curso. E não se pode dizer que a indignação e o desrespeito provocados por tal escola seja simplesmente perdoável. Reclamações como esta servem de alerta aos futuros interessados nesse tipo de curso, cuja contratação só deve ser feita com escolas em relação às quais o candidato já tenha informações prévias sobre a qualidade do serviço.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.