Cadastro clandestino rende indenização

O juiz Régis de Oliveira Montenegro Barbosa, da 18ª Vara Cível do Foro Central de Porto Alegre, condenou a CDL a pagar multa diária de R$ 500, enquanto não liberar o acesso de uma cliente às informações vítima do Crediscore

Marcelo Moreira

01 de setembro de 2010 | 21h00

O juiz Régis de Oliveira Montenegro Barbosa, da 18ª Vara Cível do Foro Central de Porto Alegre, condenou a CDL a pagar multa diária de R$ 500, enquanto não liberar o acesso de uma cliente às informações vítima do Crediscore.

Sentença da 3ª Vara Cível do Foro Central de Porto Alegre) revelou a existência de um “cadastro secreto” chamado Crediscore, que seria mantido pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Porto Alegre (CDL ) e utilizado para avaliar a concessão de crédito ao consumidor e negar a quem já teve nome sujo.

Tudo o que sabemos sobre:

CDLCrediscoreindenização

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.