Buracos na serra

Marcelo Moreira

25 de fevereiro de 2009 | 19h01

Hoje vence a segunda parcela de meu IPVA 2009 (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores). Entre outras coisas, o dinheiro do desse imposto serve para a manutenção das rodovias estaduais, principalmente aquelas que não estão sob concessão, ou seja, administradas por empresas/consórcios privadas.

Como consumidor, não aceito encontrar estradas vicinais no Estado mais rico do Brasil em completo abandono. É o que está acontecendo nas estradas do Vale do Paraíba e região de serra nas proximidades de Campos do Jordão.

Neste Carnaval, rodei por três importantes rodovias que fazem a ligação entre Campos do Jordão, Santo Antonio do Pinhal, São Bento do Sapucaí, Monteiro Lobato e São José dos Campos. O panorama é bem ruim.

A SP-123, chamada de Floriano Rodrigues Pinheiro – que liga a rodovia Carvalho Pinto a Campos do Jordão – tem pavimentação razoável até o km 20, no começo da serra.

A partir de então, até chegar a Campos, o asfalto é um horror, de má qualidade, repleto de rachaduras e buracos. A sinalização vertical (placas) está ruim, com o mato alto encobrindo a maior parte dos sinais. No solo, a sinalização horizontal é quase inexistente.

A situação é idêntica nas rodovias SP-46/Oswaldo Guisard – que liga a SP-123 à SP-50 -, SP-42/Vereador Júlio Silva – que liga a SP-50 a São Bento do Sapucaí-, e SP-50/Estrada de Monteiro Lobato – que liga Monteiro Lobato a Campos do Jordão.

A SP-46 tem um trecho entre os km 152 e 161 em bom estado, mas entre os km 163 e 167 está um horror. A SP-42 tem pavimento bastante ruim e praticamente toda a sinalização vertical oculta sob o mato alto.

Para completar, a rodovia SP-31/Índio Tibiriçá, que liga a via Anchieta a Suzano, mostra o mesmo quadro das rodovias citadas anteriormente, com alguns poucos trechos recuperados e outros completamente abandonados.

São todas rodovias importantes, que ligam municípios relevantes economicamente. Seria muito interessante a Secretaria Estadual dos Transportes se manifestar sobre a situação complicada das estradas mencionadas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.