Brinquedo dentro de ovo deve ter selo

Marcelo Moreira

25 de março de 2010 | 00h34

LIGIA TUON – JORNAL DA TARDE

Sinal de alerta para quem está comprando ovos de Páscoa: um de cada quatro estabelecimentos fiscalizados pelo Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo (Ipem-SP) na última semana apresentou irregularidades nos produtos e foi autuado, especialmente em relação aos brinquedos que são brindes incluídos dentro dos ovos.

Para verificar se os produtos estão dentro das especificações necessárias para o uso, o Ipem-SP visitou 80 estabelecimentos em todo Estado, dos quais 20 foram autuados (12 só na cidade de São Paulo). A principal irregularidade foi em relação ao certificado de qualidade do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro).

“Dos 86.578 ovos analisados, 3.617 estavam irregulares, porque o selo do Inmetro estava na embalagem, quando deveriam estar no próprio brinquedo. Isso confunde o consumidor, que pode achar que a etiqueta é do ovo”, explica Valdir Volpe, diretor de metrologia e qualidade do Ipem.

O correto é que o fabricante coloque na embalagem a frase “contém brinquedo certificado no âmbito do sistema brasileiro de avaliação da conformidade” e que deixe claro qual é a faixa etária ideal para o tipo de brinquedo que acompanha o chocolate.

Os ovos irregulares foram interditados, o que significa que os estabelecimentos ficarão com o produto, mas não podem comercializá-lo, como pena de sofrerem um processo comercial.

Além dos ovos interditados, o instituto apreendeu 98 coelhos de pelúcia que não tinham a etiqueta do Inmetro. “Se o produto não tem o selo, significa que não passou por testes de qualidade e, é possível que tenham partes pontiagudas, cortantes ou pedaços soltos que podem ser engolidos pela criança, causando até engasgamento”, afirma Volpe.

De acordo com Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Pro Teste), além de verificar a presença do selo do Inmetro, o consumidor deve notar se o produto está bem armazenado e bem conservados. “Se as condições não estiverem adequadas tem de denunciar a irregularidade ao supermercado e à vigilância sanitária”, alerta.

É importante também que o consumidor evite comprar os ovos de Páscoa em lugares desconhecidos. Tem muito ovo que é feito de forma artesanal. Estes exigem mais atenção, pois podem oferecer riscos à saúde”, acrescenta Maria Inês.

Mais conteúdo sobre:

InmetroIpemPáscoa