Brasil tem celular pré-pago mais caro da AL

Levantamento Diálogo Regional sobre a Sociedade de Informação informa que brasileiro paga US$ 45,01 por mês por uma cesta de serviços. Na Jamaica, onde o custo é o menor da região, a mesma cesta custa quase 20 vezes menos: US$ 2,2

Marcelo Moreira

07 Julho 2010 | 18h13

Fabrício de Castro

O Brasil tem as maiores tarifas de telefonia celular pré-paga entre os países da América Latina e do Caribe. A informação consta de pesquisa divulgada pelo Diálogo Regional sobre a Sociedade de Informação (Dirsi), organização que reúne profissionais e instituições que atuam na área de tecnologia da informação e comunicação.

 De acordo com o estudo, o brasileiro paga US$ 45,01 por mês por uma cesta de serviços. Na Jamaica, onde o custo é o menor da região, a mesma cesta custa quase 20 vezes menos: US$ 2,2.

A pesquisa utiliza metodologia desenvolvida pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE). Nela, é considerada uma cesta de serviços que inclui 360 chamadas e 396 mensagens de texto (SMS) por ano, segmentados por duração, horário e destino.

Na prática, é como se o usuário de celular pré-pago fizesse uma ligação e mandasse uma mensagem por dia — no Brasil, o custo mensal para isso é de US$ 45,01 (cerca de R$ 80, convertidos ao câmbio atual).

Os dados da pesquisa dizem respeito ao segundo trimestre do ano passado. Entre os 20 países pesquisados na América Latina e no Caribe, Honduras ocupa a segunda posição do ranking de maiores tarifas, com custo mensal de US$ 25,69.

Uruguai (US$ 21,70), México (US$ 19,88), Argentina (US$ 19,43) e Venezuela (US$ 19,43) aparecem na sequência. O custo médio mensal entre os 20 países é de US$ 15.

Numa mostra ampliada de 62 países, que inclui membros da OCDE e países emergentes do sul asiático — como Filipinas e Malásia –, as tarifas de telefones pré-pagos no Brasil são também as mais altas.

O brasileiro paga mais para utilizar o celular que consumidores dos Estados Unidos, da Espanha, do Reino Unido, de Portugal, da Bélgica e da Suíça, por exemplo. Pela metodologia utilizada, as tarifas incluem o Imposto sobre Valor Agregado (IVA) e quaisquer outros impostos aplicados sobre os serviços de telefonia pré-paga nos países.