Bancos: Febraban contesta a pesquisa

Marcelo Moreira

18 de junho de 2012 | 17h41

Saulo Luz

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) contestou o resultado da pesquisa do Idec e diz que os canais de atendimento dos bancos são efetivos na solução dos conflitos. “Em 2011 os canais de atendimento de seis dos maiores bancos do País receberam cerca de 400 milhões de contatos por mês (cerca de 92 milhões se referem aos SACs e 191 mil às ouvidorias)”, informa a entidade.

Por outro lado, os Procons atenderam em 2011 cerca 16 mil demandas mês dos sete maiores bancos do País.

O Banco do Brasil informa que em São Paulo, para cada 100 mil clientes da instituição, apenas três registraram algum tipo de reclamação no Procon-SP no primeiro trimestre de 2012. O BB diz que, desde meados de 2011, vem apresentando melhora significativa dos índices relativos ao ranking do BC. Sobre o caso do consumidor Mauricio Dione dos Santos, o BB diz ainda que o “cliente foi contatado pelo BB à época e teve suas dúvidas esclarecidas”.

O Bradesco respondeu que “está apurando o ocorrido para tomar as providências necessárias para solucionar o assunto com o consumidor Wanderley de Oliveira Junior”.

O Itaú-Unibanco diz que “todos os meios de contato com o cliente (agências, centrais, SACs, internet) possuem processos e políticas para resolver a demanda no prazo mais rápido (se possível, no ato) e que continuarão investindo para reduzir falhas e aprimorar seus produtos serviços oferecidos ao cliente”. O banco informa também que, após reclamar no SAC, o cliente pode recorrer à ouvidoria.

O Santander informa que está “empenhado em resolver os problemas dos clientes no menor prazo possível e até mesmo durante o contato telefônico, sempre que isso é possível. Esse esforço tem gerado um impacto positivo no índice de satisfação dos clientes com o nosso atendimento”.

Os bancos HSBC e Caixa não responderam ao JT.

Tudo o que sabemos sobre:

bancosFebrabanIdecProcon

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.