Bancos assumem o topo do ranking do Procon

Marcelo Moreira

17 de março de 2012 | 07h12

Saulo Luz

O Bradesco foi a empresa que recebeu mais reclamações no Procon-SP em 2011. Essa é a novidade do ranking anual do órgão de defesa do consumidor, divulgado ontem em São Paulo. O banco somou 1.723 queixas de clientes e saltou da 3ª posição em 2010 para o topo da lista, ultrapassando a Telefônica – que encabeçava a listagem da entidade desde 2006.

A segunda posição ficou com a B2W – companhia proprietária das páginas de e-commerce Americanas.com, Submarino e Shoptime –, com 1.574 reclamações.

O grupo pulou da 21º colocação para o segundo lugar da lista. Esse fato foi um dos que motivaram o Procon-SP a suspender por 72 horas as atividades dos três sites anteontem. Mas uma liminar da Justiça revogou a punição.

Outro destaque foi a subida do Itaú Unibanco, que ficou com o 3º lugar, com 1.383 queixas, seguido pela LG (1.164), TIM (937) e Telefônica (835). Oi, Eletropaulo, Carrefour e Panamericano fecham a lista das 10 empresas mais reclamadas.

O aumento das queixas contra instituições financeiras foi causado por cobranças indevidas e oferta de crédito. “Já contatamos os bancos e o Banco Central para que resolvam principalmente as questões relacionadas ao crédito consignado e a atuação dos correspondentes bancários – como lojas de varejo que vendem crédito”, diz o diretor executivo do Procon-SP, Paulo Arthur Góes.

O balanço do órgão mostra ainda que a empresa que menos resolveu os problemas de seus clientes em 2011 foi o Carrefour, que não solucionou 91% das reclamações. Em seguida aparecem Banco Panamericano (77% de solicitações sem solução), AES Eletropaulo (74%), Bradesco (50%), Oi (50%), TIM (42%), Itaú Unibanco (42%), B2W (39%), LG (25%) e Telefônica (21%). “Os problemas do Carrefour também são relacionados às financeiras – as queixas foram contra o cartão de crédito da rede de varejo”, diz Góes.

Por segmentos econômicos, o levantamento aponta a área de produtos (móveis, eletrônicos e vestuário, dentre outros) como a que registrou maior número de reclamações fundamentadas (queixa que não foi resolvida e que gerou processo interno no Procon), com 37% dos casos. Em seguida aparecem os assuntos financeiros (bancos, seguradoras, financeiras), com 28% das ocorrências.

Lojas virtuais, incluindo sites de compras coletivas, tiveram crescimento expressivo nas queixas. Em comparação a 2010, houve aumento de 86%. “Nesse caso, o problemas são primários como a falta de entrega e defeitos nos produtos adquiridos”, diz Góes.

Ranking online

O Itaú Unibanco é a empresa mais reclamada no Procon-SP em 2012, até o momento. A informação é do ranking online que o órgão de defesa do consumidor lançou ontem (dia mundial do consumidor) e exibirá de agora em diante em seu portal eletrônico (www.procon.sp.gov.br).

Atualizado diariamente, o ranking online indicará em tempo real o nome das 30 empresas que mais estão causando reclamações ao Procon-SP no acumulado do ano (desde o dia 1º de janeiro), citando os índices de solução desses casos.

No período, o Itaú Unibanco já somou 1.525 queixas e é seguido por Telefônica (977), Bradesco (842), Claro (624), Embratel (508), Eletropaulo (488), Santander (472), NET (443), TIM (407)e OI (350).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.