Avaliação de sites de compra é ruim

Marcelo Moreira

10 de agosto de 2012 | 16h37

TALITA FERNANDES – Especial para o Jornal da Tarde

A ProTeste – Associação dos Consumidores reprovou sete sites de venda online por reclamações quanto ao prazo de reembolso de valores em caso de desistência da compra de produtos. Os sites são Apetrexo.com, eFácil, Eletroshopping, Fast Shop, Ricardo Eletro, Saraiva e Walmart.

Apesar de as empresas prometerem devolução do dinheiro em até 30 dias nesses casos, há clientes que esperam mais de cinco meses para ter o dinheiro de volta.

Ainda que tenha caído 7,6% no primeiro semestre de 2012, o número de reclamações das lojas de venda online é bastante alto: foram 20.510 reclamações no Procon-SP, contra 22.086 no mesmo período do ano passado.

A professora Sandra Navarro, de 53 anos, espera desde março a devolução de R$ 143,49 referente a uma sanduicheira que comprou no site da Ricardo Eletro. Ela decidiu devolver o produto após quatro dias da compra por ele não atender às necessidades de sua família.

Sandra reenviou a sanduicheira à loja e obteve um prazo de 30 dias para receber o valor de volta em sua fatura do cartão de crédito. Passado o prazo prometido pela Ricardo Eletro, ela voltou a contatar a empresa e como resposta a empresa dizia que ela “receberia um contato em 72 horas”. Cansada de esperar pelo retorno que nunca chegava, a professora decidiu registrar reclamação no Procon-SP e aguarda andamento do processo.

O caso vivenciado por Sandra foi repetido em oito das 34 empresas avaliadas pela ProTeste. Em fevereiro e março, a instituição realizou testes com as 34 maiores empresas de comércio online do país e as classificou como “muito bom”, “bom”, “aceitável” e “ruim”.

As sete empresas que tiveram clssificação final como “ruim” foram mal avaliadas no quesito devolução/reembolso, principalmente.

Para realizar o estudo, a ProTeste comprou câmeras fotográficas nas páginas das empresas avaliadas e solicitou a devolução do produto dentro do prazo de sete dias, conforme previso no Código de Defesa do Consumidor (CDC).
O código define que o consumidor que efetuar compra fora da loja – pela internet ou por telefone, por exemplo – pode solicitar a devolução do produto e o reembolso em dinheiro e que a empresa deve retornar o valor imediatamente.

Para Josué Rios, consultor e colunista do JT, o consumidor sai bastante prejudicado com a demora na devolução do valor pago pelo produto. “Com esse dinheiro, muitas vezes a pessoa quer comprar um novo produto. Imagine que um novo produto está um pouco mais caro. Como que fica?”, defende. Para Rios, o valor deve ser devolvido imediatamente e, em caso de atrasos, deve ser corrigido para que o consumidor não seja prejudicado.

A reportagem do JT entrou em contato com a empresa Ricardo Eletro pela internet e não obteve retorno até o fechamento da edição.

As empresas Walmart, Fast Shop, Saraiva e eFácil divulgaram por meio de suas assessorias de imprensa, que, no caso dos pagamentos realizados com cartão de crédito, o prazo envolvido é da operadora do cartão, apesar de a empresa solicitar imediatamente a devolução, e que por isso pode levar até duas faturas para reembolsar o cliente. As demais empresas não foram encontradas pela reportagem.

Tendências: