Aumenta inadimplência do brasileiro

Marcelo Moreira

11 de setembro de 2008 | 22h19

ANA LUÍSA WESTPHALEN – AGÊNCIA ESTADO
RODRIGO GALLO – JORNAL DA TARDE

A inadimplência do consumidor brasileiro aumentou 6,6% entre janeiro e julho deste ano, na comparação com o mesmo período de 2007, segundo levantamento realizado pela Serasa. O motivo para tanto ‘calote’, informou a entidade, é a inflação e a crescente alta nas taxas de juros.

O problema de ficar com o nome ‘sujo’ na praça é que, nessa condição, o consumidor fica impossibilitado de tomar empréstimos ou fazer crediários no comércio, sendo obrigado a realizar as compras sempre à vista.

De acordo com o assessor econômico da Serasa, Carlos Henrique de Almeida, o que causou dificuldades para o brasileiro honrar seus compromissos financeiros foram o maior endividamento, a inflação sobre o orçamento doméstico e as pressões dos juros – sobretudo de dívidas mais caras, como as de cheque especial e cartão de crédito.

Ranking

O ranking das pendências financeiras nos primeiros oito meses do ano, ante o mesmo período de 2007, continua liderado pelas dívidas com bancos, com participação de 43,2% no indicador. Em seguida, aparecem as pendências com cartões de crédito e financeiras (32,5%), os cheques devolvidos (22%) e os títulos protestados (2,3%).

A inadimplência com cartões de crédito e financeiras representaram valor médio de R$ 410,53, uma alta de 11,8% na mesma base de comparação. As dívidas com bancos tiveram valor médio de R$ 1.377,80 (alta de 8,5%), os títulos protestados, R$ 944,61 (elevação de 8,9%), e os cheques devolvidos, por sua vez, um valor médio de R$ 666,33 (aumento de 10%).

Para o fim do ano, Almeida avalia que o comportamento da inadimplência dependerá do impacto dos juros sobre o crédito, da inflação e do grau de endividamento do consumidor. “Além disso, a concessão de crédito por parte do varejo menos organizado também precisa melhorar.”

Quem já estiver com o nome inscrito em entidades de proteção ao crédito pode limpar a ficha ainda neste mês e, com isso, ter o direito de parcelar as compras do Dia das Crianças e do Natal.

Segundo o economista William Eid Júnior, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), uma forma de quitar os débitos é utilizar dinheiro referente à benefícios como Participação nos Lucros e Resultados (PLR) da empresa ou mesmo parte do 13º salário. “Acertar as dívidas logo é uma forma de sair da inadimplência e entrar no próximo ano sem nenhuma pendência financeira”, disse.

O economista Luís Carlos Ewald, da FGV, orienta a evitar as compras no crediário ou financiamento, pois os juros costumam ser altos. Além disso, ele argumenta que, dependendo da quantidade de parcelas, o consumidor pode ficar tempo demais pagando a pendência.

LIMPE SEU NOME

NOME PROTESTADO

  • Procure o cartório que protestou a dívida e descubra qual é a empresa credora

  • Tente negociar a pendência e encontre uma forma de acertar o débito com a empresa

  • Assim que quitar a dívida,solicite uma declaração comprovando que a pendência já foi paga

  • CHEQUE DEVOLVIDO (quando constar no cadastro)

  • Vá ao banco, peça o cancelamento do cheque e acerte a dívida

  • Solicite ao gerente a retirada de seu nome do cadastro negativo

  • CHEQUE DEVOLVIDO (quando informado pelo credor)

  • Vá à empresa credora, pague a dívida e solicite o comprovante

  • Comentários

    Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.