Atendimento é tudo, mas ainda há empresas que não percebem

Marcelo Moreira

26 de junho de 2009 | 22h09

Mau atendimento e explicações insuficientes das empresas estão se tornando comuns na coluna Advogado de Defesa, do JT, e neste blog. E o pior, isso ocorre com emrpesas gigantes, que têm estrutura para atender bem o consumidor – o que é uma obrigação. A resposta que o banco Bradesco deu ao leitor Cesário Silva dos Santos, de São Paulo, é de uma desfaçatez revoltante:

“Efetuei o pagamento do meu cartão de crédito Bradesco na data de vencimento, porém venho recebendo telefonemas de cobrança e comunicados via correio informando que meu nome foi incluso no cadastro do SCPC e da Serasa. Passei por situações constrangedoras quando meu cartão de crédito foi recusado.

Não sou responsável pela falta de organização da empresa que não se preocupou nem mesmo em averiguar se o pagamento havia sido feito antes de incluir o meu nome no cadastro de inadimplentes. Exijo receber uma indenização por ter ter sido exposto ao ridículo indevidamente!

Quero deixar claro que estou passando por inúmeros constrangimentos no ato das compras que tento efetuar por meio de cartão de crédito, cheque ou financiamentos. Sinto-me desrespeitado como consumidor!”

RESPOSTA DO BRADESCO: Em atenção à correspondência do senhor Cesário Silva dos Santos, encaminhada a esse jornal, informamos que tentamos estabelecer contato com o cliente, porém não obtivemos êxito. Para esclarecimento do assunto, encaminhamos correspondência eletrônica ao consumidor. Agradecemos a oportunidade de prestar estes esclarecimentos e permanecemos a disposição.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.