Aposentada precisou pagar pelos exames

A aposentada Ruth Nobre, de 78 anos, precisou pagar por conta própria alguns dos exames solicitados por seu médico. Conveniada do plano de saúde São Cristóvão, Ruth sofreu um desmaio

Marcelo Moreira

28 de setembro de 2010 | 13h00

Laís Cattassini 

A aposentada Ruth Nobre, de 78 anos, precisou pagar por conta própria alguns dos exames solicitados por seu médico. Conveniada do plano de saúde São Cristóvão, Ruth sofreu um desmaio. A pedido do profissional, fazer um “Doppler das Carótidas em Holter”, procedimento necessário para avaliar as condições de seu coração e funções neurológicas.

A autorização dos exames foi demorada. Segundo ela, houve confusão de laboratórios e, sem a autorização correta em mãos, Ruth pagou pelas avaliações. “Foi um desrespeito. Era conveniada há 17 anos. Foi um desrespeito ao tempo em que fui cliente deles e à minha idade”, conta.

Não foi a primeira vez que Ruth, sem a autorização do convênio ou sem resposta, precisou pagar pelos atos médicos que sofreu. Ela afirma ainda que, quando realizou uma cirurgia no coração, a fez por conta própria, sem esperar pela posição do convênio. “Em todos esses anos como conveniada fiquei internada apenas uma vez. Não faço exames sem precisar”.

Nívia Alves da Silva, de 34 anos, também sofreu com a demora para que seu convênio autorizasse a realização de uma ressonância magnética. Ao entrar em contato com laboratórios especializados, Nívia foi informada de que seu plano de saúde não autorizava o exame. “Sempre questionam o que o médico está pedindo”, afirma. Com o exame marcado, ela precisou mudar o horário de atendimento. “Cheguei no horário marcado e me informaram que eu não podia realizar o exame pois constava que eu havia faltado”.

De acordo com o São Cristovão , os exames pedidos por Ruth não eram cobertos pelo convênio e, portanto, não foram autorizados. Em nota, a instituição informou que “na ocasião mencionada pela Sra. Ruth foi solicitado um exame de Doppler a um local que não possuía contrato para realizar, a fim de que mesma não ficasse sem realizar o procedimento, prontamente indicamos outro local credenciado próximo ao Hospital São Cristóvão, neste ínterim pela melhor localização da beneficiária, verificamos a possibilidade de realizar no local solicitado, após analise emitimos e enviamos autorização pelos nossos canais de comunicação disponível.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.