Anvisa quer novas normas para embalagem de ovos

Marcelo Moreira

06 de novembro de 2008 | 19h21

SAULO LUZ – JORNAL DA TARDE

Combater a contaminação originada por problemas em embalagens de ovos. Essa é a nova campanha da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que abriu consulta pública para discutir e elaborar uma regulamentação da rotulagem das embalagens. O objetivo é alertar o consumidor sobre os riscos de contaminação pela salmonela, bactéria comum nas aves.

No ano passado, dos 3,7 mil casos de intoxicação alimentar notificadas à Anvisa, 1,2 mil foram provocadas pela salmonela. Entre os sintomas apresentados pelo indivíduo contaminado pela salmonela estão diarréia, dificuldade de digestão, ânsia de vômito e febre.

“Pode causar gastroenterite aguda, uma infecção intestinal com diarréia que pode evoluir para a corrente sanguínea, o que seriam os casos mais graves. Esse quadro poder durar de 4 até 10 dias e o tratamento é feito com antibiótico”, explica Maria Cláudia Stokler, médica da divisão de moléstias infecciosas e parasitárias do Hospital das Clínicas.

Segundo ela, adultos acima de 50 anos, crianças com menos de 2 anos, pacientes que sofreram cirurgias no estômago e portadores do vírus HIV são os mais suscetíveis ao ataque da bactéria.

O consumidor pode, no entanto, se prevenir e matar as bactérias ao cozinhar armazenar o ovo corretamente. “É importante cozinhar muito bem o ovo e nunca prepará-lo com a gema mole. A gema tem que estar sempre cozida e sólida”, alerta Maria Cláudia.

A Anvisa quer rótulos de todos os ovos com duas advertências: “O consumo deste alimento cru ou mal cozido pode causar danos à saúde” e “Mantenha os ovos preferencialmente refrigerados”.

Para Maria Inês Dolci, da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Pro Teste) a proposta da Anvisa não é suficiente. “A informação é importante, mas deveria existir uma fiscalização efetiva sobre a qualidade dos ovos.”

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, órgão responsável pela fiscalização dos ovos, confirma a dificuldade de detectar a salmonela. “É muito difícil detectar a presença da bactéria observando os ovos. A melhor maneira é analisar as fezes das próprias aves produtoras dos ovos e eliminar o lote respectivo”, diz Ricardo Sakate, fiscal do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal do ministério.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.