ANS revela convênios com mais queixas

Marcelo Moreira

31 de março de 2011 | 08h32

Saulo Luz

A SulAmérica e dois planos de saúde voltados para idosos foram os convênios de grande porte mais reclamados na Agência Nacional da Saúde (ANS) nos últimos 12 meses. A SulAmérica liderou as reclamações por sete meses e o Prevent Senior (um plano para idosos) por outros quatro. Além destes, a Fundação Cesp (também com muitos clientes idosos) liderou o ranking de reclamações por dois meses.

O ranking é calculado a partir do número de queixas de cada plano privado e o total de beneficiários dos convênios de grande porte – que formam 34,42% do mercado e atendem 89,28% dos clientes.

Cliente do Prevent Senior, o técnico em biblioteconomia Nelson Magalhães da Costa Filho, 50 anos, cansou de esperar pelo agendamento de um simples exame de Raio X para sua esposa. “Liguei constantemente das 10h às 22h, mas em vez de atendimento, fiquei escutando música clássica”, conta ele que só conseguiu marcar o exame após reclamar para a coluna Advogado de Defesa do JT.

Apesar disso, diz que o atendimento continua péssimo e a empresa ainda demora para agendar novas consultas e exames. A Prevent Senior diz que o agendamento é feito diretamente com os profissionais e deve respeitar a disponibilidade da clínica escolhida.

Selma do Amaral, diretora de atendimento do Procon-SP, diz que o consumidor não deve aceitar a recusa de cobertura e demora na autorização. “É bom lembrar que o roll de procedimentos da ANS é uma previsão de cobertura mínima. Isso não quer dizer que o que não está lá não deve ser coberto.

Em último caso, o consumidor pode procurar o Procon ou acionar a Justiça”, diz. Juliana Ferreira, advogada do Instituto Brasileira de Defesa do Consumidor (Idec), lembra ainda que idosos têm direitos especiais. “O Estatuto do Idoso proíbe que o idoso sofra aumento por mudança faixa etária a partir dos 60 anos”, diz.

Empresas respondem

Teresa Cristina Mello, gerente de relações institucionais do Prevent Senior, diz que o ranking não mostra a real performance da operadora e questiona a metodologia. “A ANS não diz se a reclamação foi resolvida ou não. O ranking deveria ser medido pelo resultado das demandas.”

A SulAmérica informa que só ocupou o primeiro lugar porque a ANS classifica separadamente as quatro empresas de seguro-saúde do grupo (Sul América Companhia de Seguro Saúde, Sul América Seguro Saúde S/A, Brasilsaúde Companhia de Seguros e Sul América Serviços de Saúde S/A, esta última a líder do ranking.

O grupo reclama que o correto seria considerar o total de reclamações (45) e beneficiários (1.978.013) de todo o grupo, o que colocaria a companhia na 25ª posição do ranking.

Já a Fundação CESP diz que o aumento nas reclamações deveu-se a uma situação isolada, motivada pelo projeto de reestruturação necessário para garantir a sustentabilidade econômico-financeira dos planos direcionados aos aposentados e dependentes – motivado pela alta idade média dos usuários, evasão e a inflação.

A ANS defendeu o método utilizado no ranking e informou que o índice de reclamações é feito a partir de cada registro na agência e não considera o conjunto de operadoras que formam um grupo (no caso o grupo Sul América).

Tudo o que sabemos sobre:

ANSFundação CespPrevent SeniorSulAmerica

Tendências: