ANS: novos exames priorizam a prevenção

Marcelo Moreira

08 de setembro de 2009 | 22h30

Consulta pública para inclusão de procedimentos obrigatórios aos planos de saúde vai até o começo de outubro

O – JORNAL DA TARDE

Começou ontem a consulta pública da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) que deve definir os novos procedimentos de cobertura obrigatória pelos planos de saúde a partir de 2010.

O destaque deste ano é a ampliação do conceito de prevenção, que tem o claro objetivo de evitar gastos posteriores com internação. Um exemplo é a sugestão de dobrar o número de sessões de psicoterapia em casos de estresse e número ilimitado de atendimento nutricional para diabéticos.

A consulta ficará aberta durante 30 dias (até 7 de outubro) e qualquer pessoa, desde clientes até profissionais da área de saúde, pode opinar sobre o que gostaria que o plano de saúde tivesse no rol de cobertura mínima, é só acessar o site www.ans.gov.br.

Na consulta realizada no ano passado para atualizar a listagem foram registradas 30 mil participações, de acordo com a gerente-geral técnico assistencial de produtos da agência, Martha Oliveira.

“E esperamos que esse número cresça dessa vez, pois as pessoas estão mais informadas sobre o que tem direito em seus planos e algumas solicitações feitas em 2008 acabaram entrando agora como sugestão da ANS para inclusão no próximo ano”, conta. A nova lista sai em dezembro deste ano ou janeiro do ano que vem, passando a valer a partir de 2 de abril de 2010.

Entre os exames propostos na consulta de 2008 e que entraram como sugestão no levantamento deste ano, está o Pet Scan, que permite a verificação completa de novos tumores em pacientes com câncer no pulmão ou linfoma.

O procedimento custa em torno de R$ 3 mil e está entre as propostas da ANS para a próxima listagem. “Outro item que foi resultado de demanda dos usuários é o marca-passo multissítio, que inclui o procedimento de colocação e o custo do próprio aparelho”, conta Martha.

Na parte de saúde mental, o número de sessões de psicoterapia para pacientes com estresse, por exemplo, passou de 12 para 24. “Antes a cobertura era apenas em caso de quadro grave ou internação. Agora, o objetivo é que esse paciente seja tratado assim que o problema for identificado, evitando gastos com internação. Isso vale para todos os casos que necessitam de terapia e psicólogo”, explica a gerente-geral da ANS.

Atendimento

As consultas com nutricionista e fonoaudiólogo também foram ampliadas, já prevendo uma grande demanda na consulta pública. Em caso de Diabetes, o paciente terá atendimento ilimitado com nutricionista. “É um modo de gerenciar o cuidado que essa pessoa precisa ter com a alimentação”, diz Martha.

Outra novidade é a sugestão de inclusão das cirurgias torácicas por vídeo – que já são adotadas por vários planos de saúde e reduziram custos de internação, devido ao procedimento menos invasivo – e o transplante de medula óssea de doador externo, que até agora só é coberto em caso de medula doada pelo próprio paciente.

Na consulta pública deste ano também está incluída a saúde bucal (referente aos planos odontológicos). As duas principais sugestões de inclusão na listagem nessa área são a cobertura de coroa (peça de porcelana que reveste o dente) e de bloco (reconstituição do dente com material metálico), incluindo também a prótese.

Reajuste

Para o presidente da Abramge, Arlindo de Almeida, não há como incluir novos procedimentos e mais consultas sem repasse para o consumidor. “Não somos contra os avanços, mas esses exames se somam a outros e a tendência é do custo subir. O problema é que afastamos as pessoas que gostariam de ter um plano e não podem por causa do preço”, diz. Ele teme que alguns procedimentos sejam solicitados sem necessidade, aumentando os custos dos planos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.