Ações de despejo em São Paulo sobem em junho

Marcelo Moreira

27 de julho de 2009 | 17h54

GUSTAVO URIBE – AGÊNCIA ESTADO

O número de ações de despejo por falta de pagamento de aluguel na capital paulista voltou a crescer em junho e se aproxima do resultado observado no início do ano, período de agravamento da crise financeira mundial.

Levantamento mensal da administradora de condomínios Hubert, com dados do Fórum de Justiça de São Paulo, aponta que no mês passado locadores impetraram 1.994 processos contra inquilinos devedores, 21% a mais do que total registrado em maio (1.649).

Em março deste ano, mês de maior inadimplência no setor desde o início da crise, foram ajuizados 2.124 processos na capital, valor 6,5% maior ao observado em junho.

Na opinião do diretor da administradora de condomínios, Hubert Gebara, o aumento no número de ações de despejo acompanha o forte crescimento da inadimplência no setor registrada em junho.

Pesquisa da administradora divulgada na semana passada aponta que foram levadas à Justiça 1.113 ações de cobrança contra condôminos devedores, o que representa alta de 39% ante maio deste ano (800). “Assim como a inadimplência se refletiu em vários setores da economia em junho, ela foi sentida também nos condomínios”.

O diretor pontua que a alta em junho foi atípica, uma vez que a economia está apresentando crescimento desde o final do primeiro semestre. “O resultado em junho foi uma exceção. Acredito que em julho teremos uma nova queda. O mercado melhora, o comércio está empregando de novo. Isso deve gerar benefício a todos os setores”, completa.

Hubert ainda explica que em tempos de recessão a tendência entre locadores e inquilinos é a negociação. “O que mais se observa é que eles tendem a negociar e tentar chegar a um preço de mercado. Encontrar um inquilino bom e que pague em dia é difícil, sendo preferível manter um já confiável”, justifica.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.