A volta do golpe da balança

Marcelo Moreira

19 de setembro de 2008 | 21h40

ELENI TRINDADE – JORNAL DA TARDE

O velho golpe da balança reapareceu no ranking de reclamações da Ouvidoria do Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo (Ipem-SP). De janeiro a agosto deste ano, o instrumento de medição ficou em terceiro lugar no número de queixas (94 reclamações), atrás das bombas de combustíveis (229 queixas) e hidrômetros (medidores de água), com 193 manifestações.

“O consumidor precisa denunciar, pois a partir dessas manifestações os fiscais podem agir”, diz Luiz Henrique de Almeida Silva, ouvidor do Ipem. “A balança deve ficar sempre visível e ter o selo de verificação do Ipem e o produto deve ser pesado na frente do consumidor. Além disso, é preciso observar, no caso das balanças mecânicas, se o ponteiro está partindo do zero”, explica ele. “No caso das digitais, o display com dígitos falhados pode ser um indício de defeitos.”

Para denunciar, o consumidor deve procurar a Ouvidoria do Ipem por telefone (0800-0130522) ou por e-mail (ouvidor-ipem@ipem.sp.gov.br).

As reclamações são verificadas pela fiscalização do órgão e, se forem procedentes, os estabelecimentos são autuados, ou seja, notificados por escrito a dar explicações. Após o prazo de defesa de 10 dias, se o problema não for solucionado, é aplicada multa, que pode variar de R$ 500 a R$ 50 mil.

Golpe do botijão

O Ipem alerta para um golpe que vem ocorrendo desde o início do mês. “O consumidor a não deve receber pessoas que se apresentam como fiscais do Ipem e do Inmetro dizendo que fazem ajustes periódicos nos botijões de gás”, adverte o ouvidor. “Foram registrados apenas 3 casos até agora, mas muitas pessoas podem estar sendo vítimas sem saber.”
Segundo o ouvidor, os fiscais do Ipem e do Inmetro não fazem esse serviço e visitam apenas estabelecimentos comerciais. Os golpistas abordam os consumidores, principalmente idosos, e cobram até 4 ou 5 vezes o valor real do conjunto de mangueira e registro, que custa em torno de R$ 20 no mercado legalizado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.