Empresas se defendem

A Itautec foi a única empresa que, segundo avaliação do Idec, soube informar seus clientes sobre o descarte correto dos eletroeletrônicos usados

Marcelo Moreira

26 de agosto de 2010 | 11h40

Carolina Dall’Olio

A Itautec foi a única empresa que, segundo avaliação do Idec, soube informar seus clientes sobre o descarte correto dos eletroeletrônicos usados. “Temos percebido um grande aumento do interesse dos nossos clientes pelo serviço, o que para nós é muito gratificante”, avalia João Carlos Redondo, responsável pela área de sustentabilidade da Itautec.

A empresa, que em 2007 recebeu apenas seis interessados e 400 toneladas de lixo eletrônico, espera fechar 2010 com mais de 400 atendimentos e 750 toneladas recebidas.

Além da Itautec, outras fabricantes também recebem os aparelhos antigos. Muitas delas só foram mal avaliadas pelo Idec porque não conseguiram orientar corretamente os consumidores.

A HP, por exemplo, já adota o sistema de logística reversa desde 1990, trabalha com a reinserção de materiais reciclados na cadeia produtiva e possui 55 centros de coleta no País – que são multiplicados toda vez que a empresa realiza uma campanha de reciclagem em parceria com os varejistas.

“Mas mesmo diante de todos os nossos esforços, a pesquisa do Idec mostrou que precisamos melhorar a nossa comunicação para que o consumidor consiga ter acesso à nossa infraestrutura”, afirma Kami Saydi, diretor de sustentabilidade da HP Brasil.

A Intelbras também informou, em nota, que possui um sistema de gestão ambiental implementado desde 2006, que assegura a destinação adequada de todos os resíduos sólidos, dentre eles, os eletroeletrônicos.

O procedimento da empresa é indicar que o cliente leve o computador à revenda mais próxima ou envie, sem custo algum, via correio para o endereço da fábrica.

A Positivo Informática respondeu, também em nota, que primeiro aconselha o cliente a fazer uma doação para alguma entidade beneficente. Caso ele não queira, será então orientado a encaminhar o equipamento a uma das 450 assistências técnicas da rede.

Samsung e Sony admitiram não receber os produtos usados. “A política de coleta e destruição de produtos se limita atualmente aos produtos destinados à troca, não abrangendo produtos obsoletos cujos consumidores queiram fazer o descarte”, disse a Samsung.

A Sony informou que “está trabalhando junto a órgãos responsáveis com o intuito de atender às demandas de descarte de produtos da melhor forma possível, adaptando-se às necessidades dos consumidores”. As demais empresas não responderam.

Tudo o que sabemos sobre:

computadorHPItauteclixo eletrônicoSony

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: