Política

Política

Veja como foi a entrevista com Jilmar Tatto na sabatina do Estadão

Ex-secretário em diferentes pastas de gestões petistas na Prefeitura, 'candidato do Lula' em SP participou de série de sabatinas do Estadão nas eleições 2020

 

Candidato do PT para disputar a Prefeitura de São Paulo, Jilmar Tatto foi o entrevistado desta sexta-feira, 30, da série de sabatinas do Estadão, com transmissão ao vivo pelo portal estadao.com.br.

 

Tatto construiu sua vida política no âmbito da cidade, principalmente como secretário nas gestões de Marta Suplicy e Fernando Haddad. Na corrida eleitoral deste ano, ele recupera o legado das administrações petistas em São Paulo - como os corredores de ônibus, o bilhete único e a merenda escolar - e traz falas de apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

 

Hoje, o petista é secretário nacional de Comunicação da sigla e concorre às eleições 2020 ao lado do economista e deputado federal Carlos Zarattini.  

 

A sabatina teve mediação da colunista do Estadão e editora do BRPolítico, Vera Magalhães, e participação de repórteres da equipe de Política. O candidato também respondeu a perguntas enviadas por representantes da academia e de entidades da sociedade civil.

 

Tatto foi o nono candidato da série de sabatinas, que já contou com as participações de Bruno Covas (PSDB), Guilherme Boulos (PSOL), Celso Russomanno (Republicanos), Arthur do Val (Patriota), Filipe Sabará (Sem partido) - cuja candidatura foi indeferida pela Justiça Eleitoral, Joice Hasselmann (PSL), Marina Helou (Rede) e Márcio França (PSB).

 

Confira a agenda:

03/11 - Orlando Silva (PCdoB)

04/11 - Andrea Matarazzo (PSD)

ACOMPANHE AO VIVO

Atualizar
  • 16h02

    30/10/2020

    'EU NÃO ACREDITO NA SINCERIDADE DO CIRO GOMES', DIZ TATTO

     

    Em sabatina, candidato do PT fala sobre encontro entre pedetista e Lula, e diz que esquerda deve se unir no segundo turno das eleições 2020 em SP. Caso tenha perdido a transmissão ao vivo, leia aqui os destaques da entrevista.

     

    Foto: Reprodução

    Foto: Reprodução

  • 16h00

    30/10/2020

    O Estadão Verifica checou a sabatina de Jilmar Tatto. Candidato do PT à Prefeitura de São Paulo errou dados sobre acidentes de trânsito e sobre gestão de OSs. Veja aqui o resultado.

  • 15h38

    30/10/2020

    Verifica: O candidato afirmou que São Paulo reduziu a dívida com a União em 60% no último ano do governo Haddad, o que é quase correto. O ex-prefeito petista renegociou a dívida da cidade trocando o índice usado para o cálculo de juros, mudando do índice IGP-DI para o IPCA. Dessa forma, a dívida, na época, caiu de R$ 64,8 bilhões para R$ 28 bilhões, redução de 57%, e está sendo quitada em dia pelo governo Bruno Covas.

     

    Dados do relatório anual do Tribunal de Contas do Município mostram que o saldo do refinanciamento da dívida era de R$ 27,3 bilhões em 31 de dezembro de 2018. Um ano depois, ao final de 2019, o montante da dívida pública do financiamento era de R$ 25,9 bilhões.

  • 15h35

    30/10/2020

    Verifica: Tatto citou que, no mês de setembro, o número de acidentes e mortes no trânsito aumentou na cidade de São Paulo. Isso só é verdade em relação ao número de mortes. De acordo com informações do InfoSiga, do governo estadual, o número de mortes subiu de 57 para 76 entre agosto e setembro. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o registro de óbitos também aumentou, de 75 para 76.

     

    Em relação a acidentes, o índice diminuiu. Foram 3.501 em agosto, comparados a 3.274 em setembro. Em setembro do ano passado, o número total de acidentes foi de 3.434, segundo o InfoSiga.

  • 15h34

    30/10/2020

    A próxima sabatina acontece no dia 3/11, às 14h30. O entrevistado será Orlando Silva (PCdoB).

  • 15h33

    30/10/2020

    Vera encerra a sabatina com o candidato do PT, Jilmar Tatto.

  • 15h33

    30/10/2020

    Vera: "Sobre processos de concessão, o senhor vai revertê-los?"

     

    Tatto: "O dos parques eu achei exagero. Se der para revogar, vou revogar. Não sou contra parcerias público-privadas, mas tenho receio porque depois começam a cobrar para usar o parque. O Rodoanel falou que não iriam cobrar pedágio, agora estão cobrando. Tem que tomar cuidado com isso. Sobre o Pacaembu, é necessário olhar contrato por contrato."

  • 15h31

    30/10/2020

    Luiza Mainardi, ativista do Fridays for Future Brasil, por vídeo: "Jilmar Tatto, gostaria de perguntar ao senhor, caso eleito: além de ajudar as populações periféricas da cidade de São Paulo, também contribuirá com a despoluição do rio Tietê e do Rio Pinheiros, juntamente com o Estado de São Paulo? Isso está para acontecer desde 1992, porém nunca ocorreu."

     

    Tatto: "É o PSDB. O PSDB faz mal para o Estado, para a capital. Passa ano e não acontece isso. A despoluição do Tietê e do Pinheiros é isso. Alckmin falou que ia pescar no Tietê, só vai pegar garrafa plástica. Eu vou ajudar o governo do Estado a despoluir. Depende de articulação entre prefeitos e governo do Estado. Isso vale para a área de saneamento."

  • 15h29

    30/10/2020

    Já há uma disputa pelo voto útil da esquerda no primeiro turno. O debate é mais acirrado entre os candidatos com intenção de voto mais expressivas: Guilherme Boulos, do PSOL, e Márcio França, do PSB

     

    Em entrevista à rádio Eldorado, Tatto afirmou que São Paulo precisa de "experiência" e que não é hora de "experimentos".

  • 15h29

    30/10/2020

    Vera: "Não é arrogante esse tipo de ponderação? Gleisi quer retratação pública de Ciro, você faz críticas, mas Lula é quem foi condenado. Não é importante ter gente perto do PT?"

     

    Tatto: "Se for verdadeiro, acho ótimo. Lula recebeu Ciro. Se for sincero, acho ótimo. Acho importante a esquerda toda estar conversando e formar uma frente democrática popular, pensar em 2022. Não acho que é cada um saindo por conta própria. Temos que refazer nossa frente no País. Defendo isso dentro do PT. É preciso fazer alianças para governar e para fazer campanha. Imagina se juntasse eu, Boulos, Orlando, Márcio."

     

    Adriana: "Por que não apoia Boulos, que está melhor que o senhor nas pesquisas?"

     

    Tatto: "O PT já governou três vezes. O Boulos vai me apoiar no segundo turno."

     

    Adriana: "É sempre o PT que tem que receber apoio, né?"

     

    Tatto: "O PT queria apoiar Freixo no Rio. O PT apoia Manuela em Porto Alegre. O PSOL não apoiou o PT aqui nem na época do Haddad."

  • 15h25

    30/10/2020

    Verifica: Tatto afirmou que não havia denúncias de irregularidades na área da Saúde na gestão Haddad, o que não é verdade. Em 2014, o Estadão mostrou que a Promotoria da Saúde Pública abriu um inquérito para apurar se haveria sobrepreço na compra de medicamentos e na execução de obras da Santa Casa. A denúncia foi apresentada por um ex-funcionário do alto escalão da Fundação.

     

    A Promotoria estadual também abriu investigação, em abril de 2016, para apurar as condições sob as quais uma OS foi escolhida para gerir unidades de saúde na zona norte da capital. A OS já havia sido multada pela prefeitura, ainda na gestão de Gilberto Kassab (PSD), por utilizar recursos de uma parceria suspensa.

  • 15h25

    30/10/2020

    Galhardo: "O senhor é integrante da direção nacional do PT. Houve um encontro entre Lula e Ciro e eles fizeram as pazes, como foi noticiado ontem. O que acha da reaproximação?"

     

    Tatto: "Eu não acredito na sinceridade do Ciro Gomes, o que é uma decepção. Confesso que com o tempo venho me decepcionando. Não acredito nesse momento. Preciso ouvi-lo. Ele é um problema. É errático. Sou cético. Fiquei surpreso pelo encontro, que foi em setembro. Sei que é um esforço grande das pessoas que têm relação com Lula e Ciro. É um processo de resgatar a confiança pública entre o PT e o Ciro. Eu sou cético. Gostaria de estar mais animado. Gostaria que Ciro não viajasse para Paris nos momentos críticos do País."

  • 15h23

    30/10/2020

    As eleições municipais são um momento estratégico para a superação de barreiras que impedem o avanço das agendas urbanas. Analistas dizem, neste artigo, que o compromisso deve ser com a redução das desigualdades.

     

    Foto: Daniel Teixeira/Estadão

    Foto: Daniel Teixeira/Estadão

  • 15h21

    30/10/2020

    Obrigatoriedade de vacina divide candidatos à Prefeitura de SP. Bruno Covas e Celso Russomanno, líderes nas pesquisas divulgadas até o momento, são contra a imunização obrigatória. Entenda os diferentes pontos de vista nesta reportagem.

  • 15h21

    30/10/2020

    Adriana: "Seu plano fala sobre tributar os mais ricos. Como seria isso? Qual é sua política para o IPTU?"

     

    Tatto: "A mansão do Doria paga menos IPTU que um morador da periferia. Temos que ver essas distorções. Em relação a ISS, quero dialogar num primeiro momento. Não é verdade que todo bilionário é sonegador. Temos que fazer ajustes para ter uma tributação coerente com o que a pessoa tem. É disso que se trata. Não é só cumprir a lei. É como IPTU progressivo dos imóveis abandonados. São várias ações de arrecadação que podemos fazer na cidade e permite aumentar a arrecadação e fazer investimento na área social."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.