Política

Política

Veja como foi a entrevista com Arthur do Val na sabatina do Estadão

Popularizado por seu canal no YouTube, 'Mamãe Falei' foi o quarto entrevistado da série de sabatinas com candidatos a prefeito de São Paulo nas eleições 2020

 

 

O deputado estadual Arthur do Val (Patriota) participou nesta terça-feira, 20, da série de sabatinas do Estadão com os candidatos à Prefeitura de São Paulo nas eleições 2020. Conhecido pelo seu canal no YouTube, 'Mamãe Falei' faz parte do Movimento Brasil Livre (MBL) e escolheu como vice a ativista Adelaide de Oliveira, porta-voz do movimento Vem Pra Rua, que defendeu impeachment de Dilma Rousseff em 2015.

 

Do Val foi eleito pelo DEM em 2018 com a segunda maior votação do Estado, mas acabou expulso da sigla em 2019 acusado de infidelidade partidária. Em seu mandato na Assembleia de São Paulo (Alesp), o deputado acumula episódios polêmicos. Um dos mais marcantes foi o discurso em que chamou petistas e esquerdistas de "vagabundos" e acabou interrompido por empurrões e agressões físicas no plenário. 

 

Na disputa deste ano, o candidato do Patriota foi alvo da Justiça Eleitoral por "propaganda eleitoral vedada" em vídeos críticos ao padre Júlio Lancellotti, conhecido pela atuação na Pastoral Povo da Rua junto a pessoas em vulnerabilidade social em São Paulo.

 

A sabatina com Arthur do Val foi realizada de forma virtual e teve mediação da colunista do Estadão e editora do BR Político, Vera Magalhães, além da participação dos jornalistas da equipe de Política do Estadão. O candidato também teve de responder a perguntas enviadas por representantes da academia e de entidades da sociedade civil.

 

Em todas as sabatinas, os 11 candidatos à Prefeitura de São Paulo filiados a partidos com representação no Congresso serão entrevistados por uma hora.

 

Já participaram também o prefeito Bruno Covas (PSDB), que tenta a reeleição, e os candidatos Guilherme Boulos (PSOL) e Celso Russomanno (Republicanos).

 

O próximo candidato da série será Filipe Sabará (Novo). Abaixo, confira a ordem das entrevistas, definidas em sorteio que contou com a presença de representantes das campanhas.

 

Próximas sabatinas:

21/10 - Filipe Sabará (Novo)

22/10 - Joice Hasselmann (PSL)

23/10 - Marina Helou (Rede)

29/10 - Márcio França (PSB)

30/10 - Jilmar Tatto (PT)

03/11 - Orlando Silva (PCdoB)

04/11 - Andrea Matarazzo (PSD)

 

Sabatinas já realizadas:

15/10 - Bruno Covas (PSDB)

16/10 - Guilherme Boulos (PSOL) 

19/10 - Celso Russomanno (Republicanos)

ACOMPANHE AO VIVO

Atualizar
  • 16h48

    20/10/2020

    O Estadão Verifica checou as afirmações de Arthur do Val durante a sabatina. O candidato errou dados sobre a população dos distritos paulistanos e sobre o uso de dinheiro público na campanha. Veja o resultado aqui. 

  • 16h11

    20/10/2020

    ARTHUR DO VAL DIZ QUE SÃO PAULO 'NÃO TEM DINHEIRO PARA DAR AUXÍLIO' E QUE PROPOSTA É 'DEMAGOGIA'

     

    Em sabatina do Estadão, o candidato do Patriota diz que Prefeitura "só atrapalha" e faz "diferença negativa" na vida das pessoas. Caso tenha perdido a transmissão ao vivo, leia os destaques da entrevista aqui.

     

    Foto: Reprodução

    Foto: Reprodução

  • 15h34

    20/10/2020

    Verifica: O candidato Arthur do Val afirmou que o orçamento para Assistência Social em São Paulo é de pouco mais de R$ 1 bilhão por ano. De fato, o orçamento aprovado para 2020 para o Fundo Municipal de Assistência Social foi de R$ 1,1 bilhão. A Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social teve orçamento previsto em R$ 122 milhões. O candidato também acertou o valor do orçamento para a Câmara Municipal (R$ 4,6 bilhões) e para a Secretaria de Cultura (R$ 472 milhões).

  • 15h31

    20/10/2020

    Vera Magalhães encerra a sabatina com o candidato a prefeito de São Paulo pelo Patriota, Arthur do Val.

     

    O entrevistado de amanhã será Filipe Sabará, candidato pelo Novo

    Veja aqui a programação completa das sabatinas. 

  • 15h31

    20/10/2020

    Lara: "Como o senhor planeja compensar a discrepância entre o ensino público e o privado em São Paulo?"

     

    Do Val: "Eu tenho um projeto chamado Escola 360, e vamos ter aula de reforço e atividades extra-curriculares. Vamos trazer o programa chamado 'Jovem Capitalista'. O jovem da periferia vai aprender a competir com o jovem do ensino privado."

     

    Vera: "Pretende construir novas escolas no modelo dos CEUs?"

     

    Do Val: "Não. Temos que aproveitar melhor os equipamentos que já temos."

  • 15h29

    20/10/2020

    Vera: "Uma reportagem mostrou que três funcionários de seu gabinete atuam em sua campanha. Não há uma contradição?"

     

    Do Val: "De maneira alguma. Eu sou o que menos gasta, o que menos contrata. São os meus assessores que estão comigo desde o começo. Eles têm toda liberdade de estar no WhatsApp militando pelo que acreditam."

     

    Vera: "O senhor disse que não usa nenhum recurso."

     

    Do Val: "Mas eu não uso nenhum. Uso zero."

  • 15h26

    20/10/2020

    Godoy: "O presidente Bolsonaro se elegeu com um discurso muito semelhante ao seu, e agora está abraçado ao Centrão. Como saber se o senhor não fará o mesmo?"

     

    Do Val: "Essa história de que todo os políticos são vagabundos é mentira. O que o Bolsonaro faz é diferente. Eu nunca neguei política, muito pelo contrário. Você ser combativo, 'brigão', não significa não ser do diálogo. Eu venho da iniciativa privada, e lá se você for radical, não resolve nada."

  • 15h25

    20/10/2020

    Vera: "Isso é democrático? Um candidato a vereador não deve ter representação? Tem que ter a chancela de um cacique?"

     

    Do Val: "Eu não vou ter dentro da minha chapa nenhum ladrão, nenhum tranqueira. Todos os candidatos abraçam esse tipo de candidatura."

  • 15h24

    20/10/2020

    Lara: "A sua expulsão do DEM se deu no contexto em que você fazia críticas ao governo Doria e ao Rodrigo Maia. Por que foi para o Patriota? E você defende candidatura avulsa?"

     

    Do Val: "Defendo, sim, candidatura avulsa. A partir do momento que a filiação é compulsória, não vejo com maus olhos eu ter sido expulso do DEM. Quando eu fui expulso do DEM, eu procurei o PP. Fui procurar o Podemos, o Avante, o Pros, e coincidentemente foram ganhando cargos. O único partido que não se vendeu foi o Patriota."

  • 15h21

    20/10/2020

    Vera: "Russomanno começou a campanha propondo a criação de um 'auxílio paulistano'. Logo em seguida, o prefeito começou a defender também uma renda emergencial. O senhor vai seguir por esse caminho ou considera populista?"

     

    Do Val: "Considero populista. São Paulo não tem dinheiro para dar para ninguém. Duvido que o Bolsonaro entregue o dinheiro para o Russomanno. Boulos também vai nesse sentido. O fato é: não tem dinheiro. Qualquer proposta nesse sentido soa para mim como aumento de imposto."

  • 15h20

    20/10/2020

    Godoy: "O senhor menciona transformar a Guarda Civil Municipal em Polícia Municipal. Elas não têm, porém, poder de polícia, são 'polícias administrativas'. Como o senhor pretende fazer isso?"

     

    Do Val: "O (JoãoDoria tentou fazer isso."

     

    Godoy: "Maluf tentou fazer isso, Marta (Suplicy). Não é uma promessa vazia? Colocar um adesivo na viatura e achar que está resolvido?"

     

    Do Val: "Não preciso explicar a influência do poder Executivo sobre o Legislativo. A nossa Constituição comete o erro de reservar muito poder ao governador e ao prefeito. Transformar a GCM não é somente retórica."

  • 15h17

    20/10/2020

    Lara: "O senhor comentou que é fisiológico dizer que é contra a corrupção. Mas acabar com a cracolândia, indústria da multa e máfia dos transportes, por exemlo, são expressões que aparecem nas campanhas. Como convencer o eleitor que o senhor é diferente?"

     

    Do Val: "Basta pesquisar as minhas propostas. Você cita acabar com a indústria das multas. Tenho proposta objetiva: acabar com radares de São Paulo e colocar lombadas eletrônicas. A maior parte das vezes, o cara (que leva a multa) está distraído ou é de outra cidade. A lombada eletrônica te dá um choque, educa."

     

    Vera: "Mas por que colocar lombadas no lugar dos radares?"

     

    Do Val: "É muito mais visível. Ela mostra a velocidade do carro à frente. De fato, educa. Não fazer como o candidato Bruno Covas que esconde os radares."

    O eleitor pode acompanhar aqui as principais propostas de Arthur do Val, compiladas pelo Estadão

  • 15h15

    20/10/2020

    Do Val: "Muitos dos nossos contratos (na Prefeitura) não são padronizados. São muitas OSs, muitos contratos, sem padrão. Transparência não significa vir falar aqui que 'sou honesto'. O meu objetivo é padronizar qualquer tipo de contrato que tivermos em São Paulo, que qualquer cidadão consiga ler e entender."

     

    Vera: "Mas os contratos já não são auditados pelos Tribunais de Contas do Município? Não existe Lei de Acesso à Informação?"

     

    Do Val: "Aqui em São Paulo, o prefeito tem muito poder, então tudo que é colocado na Câmara, passa. Até hoje, eu tenho dúvidas do porquê se estabeleceu o valor de R$ 1,2 bi para a privatização do Anhembi. Então imagina como são os contratos de todas as OSs e entidades. Eu acho que devemos ter, sim, um portal da transferência que funcione melhor."

  • 15h12

    20/10/2020

    Fabiana Ferreira Pascoaloto, professora de Gestão Pública da FAAP, por vídeo: “Eu gostaria de saber qual a sua proposta referente à transparência, ao controle das contas públicas e ao orçamento participativo. O que o cidadão do município de São Paulo pode esperar do candidato referente às políticas de controle social?”

  • 15h11

    20/10/2020

    Godoy: "O senhor acha que é possível fazer política na base da ofensa?"

     

    Do Val: "Não, até pedi desculpas. Em nenhum momento fui mal interpretado, mas naquele momento específico, me excedi".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.