1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Wagner diz que governo reconhece erros na economia e está confiante sobre impeachment

- Atualizado: 04 Janeiro 2016 | 17h 42

Ministro da Casa Civil afirmou que pedido de afastamento de Dilma 'não sobreviverá aos primeiros testes na Câmara'

Atualizada às 17h41

BRASÍLIA - No primeiro dia útil de 2016, o ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, usou as redes sociais para fazer declarações sobre os dois assuntos que mais preocupam o governo neste início do ano: o impeachment e a crise econômica. Por meio de suas contas no Twitter e no Facebook, Wagner afirmou nesta segunda-feira, 4, que a presidente Dilma Rousseff está confiante em relação ao processo que pede o seu afastamento e que o governo não apenas reconhece os erros que cometeu na economia, como está trabalhando para resolvê-los.

 O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner 

 O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner 

"Temos plena consciência de alguns erros que cometemos e das dificuldades que precisamos vencer na economia, mas impopularidade não é crime. É um defeito, um problema que vamos seguir trabalhando para resolver", disse.

Depois do ajuste fiscal, o governo prepara agora um pacote de medidas para tentar tirar o País da crise e fazer a economia voltar a crescer. Uma das iniciativas vai ser retomar as atividades do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão.

Sobre o impeachment, o ministro afirmou que o processo "não sobreviverá aos primeiros testes na Câmara". Para ele, o rito estabelecido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) anulou as "manobras" do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o que "acabou com a banalização e a tentativa de uso político do impeachment"

"Vamos obter muito mais dos que os 171 votos necessários para barrá-lo, porque esse processo não tem fundamentação jurídica para seguir em frente", disse.

Crítica. O líder do PPS na Câmara dos Deputados, Rubens Bueno (PR), atacou as declarações do ministro. Para Bueno, a impopularidade ao governo petista se deve aos crimes de responsabilidade fiscal e "a corrupção que atingiu todos os setores da administração pública federal".

"Assistimos durante todos esses anos, principalmente no governo Dilma, a incapacidade e incompetência gerencial desse governo. Por conta dos inúmeros erros e abusos na economia convivemos agora com uma inflação crescente e o sucateamento das estruturas publicas brasileiras. O resultado disso é um País internacionalmente desacreditado que penaliza, principalmente, os mais pobres", disse o líder por meio de nota.

O deputado também ironizou a declaração de Wagner sobre o impeachment. "Infeliz o governo que possui apenas 250 votos e se vangloria disso. Nos bons tempos, quando tinham 400 a 500 parlamentares aliados, (o PT) não fez as reformas necessárias que o País tanto precisava. Agora conta nos dedos o apoio que sobrou para tentar salvar a pele da presidente", afirmou. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX