Secretaria de Estado de Segurança Pública do Mato Grosso
Secretaria de Estado de Segurança Pública do Mato Grosso

Vítimas de chacina em Mato Grosso foram assassinadas com tiros e golpes de facão

Representante do governo afirma que suspeita é de que fazendeiros locais tenham contratado matadores de aluguel para exterminar grupo em local marcado por disputas de terra

Fátima Lessa, especial para o Estado, em Cuiabá, e José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

22 Abril 2017 | 17h56

As nove vítimas de uma chacina rural na Gleba Taquaruçu do Norte, a 1.062 km de Cuiabá, foram assassinadas com golpes de facão e disparos de arma de fogo. Parte das vítimas teve o rosto mutilado no crime ocorrido nesta quinta-feira, 20, à tarde. Neste sábado, 22, pela manhã, os corpos foram levados para a cidade de Colniza, no extremo noroeste de Mato Grosso. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, a motivação do ataque é disputa por terras na região.

Todas as vítimas eram homens e evangélicos – entre os mortos está um pastor. A violência impressionou policiais e peritos enviados ao local da chacina. De acordo com a Polícia Civil, a suspeita é de que os autores do crime sejam capangas contratados por fazendeiros. Homens encapuzados atacaram o assentamento onde vivem cem famílias.

“Os assassinos entraram de barraco em barraco matando as pessoas”, contou a policial Elizângela Nunes. Segundo ela, “os corpos estão em estado de decomposição” e passam por necropsia em uma sala improvisada no cemitério. Até a conclusão desta edição, as vítimas não haviam sido identificadas pelos peritos.

A Secretaria de Segurança Pública já informou que três das vítimas eram de Rondônia e três, de Guariba, uma gleba também de Colniza. A origem três delas ainda não foi divulgada.

O secretário Elizandro Jarbas afirmou que é “prioridade” do governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PSDB), descobrir e punir os autores da chacina. Segundo ele, foi montada uma força-tarefa entre as Polícias Civil e Militar para acelerar as investigações. Nesta segunda-feira, 24, chegarão mais policiais à região. Nenhum dos assassinos foi identificado nem preso.

Conflitos. O município de Colniza está em uma região marcada por conflitos entre fazendeiros, índios, trabalhadores rurais, madeireiros e garimpeiros.

Cercado por reservas indígenas, como a Roosevelt, dos índios cinta-larga, e a Tenharim-Marmelos, dos tenharins, quatro grandes parques nacionais (Juruena, Campos Amazônicos, Jaru e Aripuanã), além de três reservas estaduais, o município nasceu de um projeto da empresa de garimpo Colniza Colonização, que deu o nome à cidade.

Em 1986, quando se tornou município, Colzina concentrava três garimpos de ouro. A chegada de fazendeiros e madeireiros incluiu o município no chamado “arco de fogo”, um cinturão de desmatamento que avança em direção à Floresta Amazônica. Nos últimos cinco anos, Colniza foi o município com maior registro de desmatamento em Mato Grosso, com 54,8 mil hectares derrubados, segundo a Secretaria Estadual de Meio Ambiente.

Reações. A Federação dos Trabalhadores da Agricultura (Fetagrii-MT), em nota  lamentou “o agravamento do clima de tensão na região” e cobrou providências das autoridades responsáveis. O Movimento dos Sem-Terra (MST) considerou uma “tragédia anunciada” o assassinato dos nove homens. Também em nota, o MST lamentou que a chacina não seja um fato isolado e lembrou que há dois anos Josias Paulino de Castro e Irani da Silva Castro, dirigentes camponeses do município, foram assassinados 48 horas após denunciar ameaças de fazendeiros locais para o ouvidor nacional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Segundo o movimento, a Comissão Pastoral da Terra (CPT) apontou a região como uma das mais violentas do Brasil. “Essa onda de violência integra um avanço do modelo capitalista sobre os direitos dos trabalhadores, sobre a apropriação dos recursos naturais, terra, minerais e água. Avanço este potencializado pelo golpe que o Brasil está vivendo, e por projetos de lei como a PEC 215 que dispõem sobre as terras indígenas e quilombolas, a MP 759 que dispõe sobre a reforma agrária, e o PL 4059 sobre a compra de terras por estrangeiros, além de outros projetos e medidas provisórias que não são criados no sentido de resolver os problemas no campo, mas para aumentar a concentração fundiária.”

Ainda segundo a nota, “nada está sendo encaminhado no sentido de impedir essas novas tragédias e a repetição de outras que marcam o mês de abril, como Eldorado dos Carajás, que dia 17 completou 21 anos de impunidade” - em abril de 1996, 19 sem-terra foram mortos em ação da Polícia Militar nesse município paraense. “Não podemos nos calar diante de tão grande dor; que nossa indignação alcance os responsáveis diretos e indiretos por este massacre, e que este não seja mais um caso de impunidade. Que o Estado não seja novamente conivente com os assassinos. A cada companheiro tombado, nenhum minuto de silêncio, mas toda uma vida de luta”, conclui o MST.

Pastoral. De acordo com dados apresentados pela CPT na segunda-feira, 17, há atualmente 6.601 famílias instaladas em áreas de conflitos em Mato Grosso. Em nível nacional, houve um aumento de 26% no volume de conflitos no campo registrados no Brasil, segundo a instituição. Eram 1.217 em 2015 e, em 2016, 1.536. Com relação às investigações dos crimes, dos 1.387 assassinatos ocorridos de 1985 a 2016 no País decorrentes de conflitos entre proprietários rurais e assentados, apenas 112 casos foram julgados, 31 mandantes foram condenados e 14 foram absolvidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.