Vice-líder do governo pede saída 'imediata'

O vice-líder do governo na Câmara dos Deputados, Silvio Costa (PSC-PE), entrou no início da tarde ontem com representação na Procuradoria-Geral da República pedindo o "imediato afastamento" do cargo do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Segundo o parlamentar, o pedido está baseado na tese de que o peemedebista está usando a presidência da Câmara para "retardar" o processo por quebra de decoro parlamentar contra ele no Conselho de Ética da Casa.

Igor Gadelha / BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

23 Outubro 2015 | 02h06

O pedido foi feito antes de o Supremo Tribunal Federal autorizar o bloqueio e o sequestro de cerca de R$ 9,6 milhões em contas atribuídas a Cunha na Suíça.

Deputado.

Costa ponderou que representou como deputado e não como vice-líder - o governo tem evitado entrar em confronto direto com o presidente da Câmara, que tem a prerrogativa de decidir sobre os pedidos de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.

"O presidente Eduardo Cunha está utilizando a presidência para retardar o processo de investigação aqui na Casa. Por exemplo, o PSOL deu entrada no Conselho de Ética e até agora ele (Cunha) não numerou o pedido", afirmou, lembrando que, ao não dar número ao processo, ele não começa.

Cunha, sua mulher, a jornalista Cláudia Cruz, e sua filha Danielle são investigados por suspeita de terem contas secretas na Suíça, por meio das quais teriam recebido propina de desvios da Petrobrás. Além disso, o peemedebista é suspeito de ter patrimônio não declarado de cerca de R$ 61 milhões no exterior.

"Não é possível que a gente tenha que conviver com uma situação inusitada como essa, onde um presidente que está denunciado com contas na Suíça diz que não renuncia e essa Casa está nesse marasmo."

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.