1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Vice-líder do governo pede investigação de pagamentos a filho de FHC no exterior

- Atualizado: 20 Fevereiro 2016 | 14h 16

Silvio Costa (PT do B-PE), declarou que irá pedir ao Ministério Público que o caso do ex-presidente tenha o mesmo tratamento dado ao do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), denunciado sob a acusação de ter usado dinheiro de uma empreiteira para pagar despesas da amante

O ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso
O ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso

Brasília - Um dos vice-líderes do governo na Câmara, Silvio Costa (PT do B-PE), declarou que irá pedir ao Ministério Público que o caso do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso tenha o mesmo tratamento dado ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que foi denunciado sob a acusação de ter usado dinheiro de uma empreiteira para pagar despesas da amante. "Fernando Henrique vai ter que se explicar", disse Costa, nesta quinta-feira, 18.

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, a jornalista Mirian Dutra, com quem FHC manteve um caso extraconjugal nos anos 1980 e 1990, disse que a Brasif S.A Exportação e Importação ajudou o ex-presidente a enviar recursos ao exterior para ela e seu filho, Tomás Dutra. Segundo Mirian, as transferências foram feitas por meio da assinatura de um contrato fictício de trabalho. FHC nega que tenha usado a empresa para fazer repasses a Mirian.

"Se fosse com o Lula, o PSDB estaria decretando a sua prisão", afirmou Costa, afirmando que há tratamento desigual entre os políticos de acordo com o partido. "Preciso saber se essa doação da empresa era da Lava Jato e por que era feita dessa forma. Acho uma acusação séria, sobretudo para um ex-presidente que sempre posou como paladino da ética. Eu quero que ele explique para os brasileiros por que o filho dele recebia pensão de uma empresa privada."

Em tom mais ameno, o líder do PT na Câmara demonstrou solidariedade à família de FHC. "Todos os dias nós somos surpreendidos com notícias que atingem personalidades públicas. Solidarizo-me independente de quem é o agente público e de qual é o seu partido. Investigar cabe ao Ministério Público", comentou Florense. Ele destacou que é preciso ter cuidado com a simples busca por pistas, citando o caso do ex-presidente Lula, que acaba propiciando abordagens condenatórias. "Da nossa parte, todo mundo deve ser investigado quando há indício, mas busca por pistas é outra coisa" disse Florense.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX