Vice-líder do governo pede afastamento de Cunha na Procuradoria-geral da República

Pedido está baseado na tese de que o peemedebista está usando a presidência da Câmara para 'retardar' processo de investigação contra ele no Conselho de Ética da Casa, por quebra de decoro parlamentar

Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

22 Outubro 2015 | 14h08

BRASÍLIA - O vice-líder do Governo na Câmara dos Deputados, Sílvio Costa (PSC-PE), entrou no início da tarde desta quinta-feira, 22, com representação na Procuradoria Geral da República (PGR), pedindo o "imediato afastamento" do cargo do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Segundo o parlamentar, o pedido está baseado na tese de que o peemedebista está usando a presidência da Câmara para "retardar" o processo de investigação contra ele no Conselho de Ética da Casa, por quebra de decoro parlamentar. Costa ponderou que entrou com a representação como deputado e não como vice-líder do Governo. 

"O presidente Eduardo Cunha está utilizando a presidência para retardar o processo de investigação aqui na Casa. Por exemplo, o PSOL deu entrada no Conselho de Ética e até agora ele (Cunha) não numerou o pedido do PSOL", afirmou, lembrando que, ao não dar número ao processo, ele não começa. Cunha, sua esposa, a jornalista Cláudia Cruz, e sua filha, Danielle, são investigados por suspeita de terem contas secretas na Suíça, por meio das quais teriam recebido propina de desvios da Petrobrás. Além disso, o peemedebista é suspeito de ter patrimônio não declarado de cerca de R$ 61 milhões no exterior. 

"Não é possível a gente tenha que conviver com uma situação inusitada como essa, onde um presidente que está denunciado com contas na Suíça diz que não renuncia e essa Casa está nesse marasmo", criticou Costa. Segundo ele, o pedido foi protocolado na PGR, para que o órgão analise a representação e decida se encaminha ou não o pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF). O parlamentar afirmou que não conversou com o governo nem com seu partido antes de apresentar o pedido. Ele cobrou, no entanto, explicação de outros deputados sobre "qual o receio de pedirem o afastamento" de Cunha.

Antes de conceder entrevista à imprensa, Silvio Costa anunciou em plenário que tinha protocolado o pedido. A frente da presidência da sessão, Cunha fez nenhum comentário. A postura foi a mesma adotada ontem quando o líder do PDT na Câmara, Afonso Motta (RS), leu nota da Executiva Nacional do partido defendendo o afastamento imediato do cargo do presidente da Câmara. Para a legenda, Cunha perdeu "as condições política de se manter à frente da Câmara", diante do surgimento de provas de que possui contas secretas e patrimônio não declarado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.