1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'Vamos esperar convenção do PMDB em vez de fazer exercício de futurologia', diz Dilma

- Atualizado: 11 Março 2016 | 16h 03

Presidente afirmou que tem conversado com o vice-presidente, Michel Temer, e com lideranças do partidos; Dilma também destacou papel do PMDB para a governabilidade

Brasília - Na entrevista que convocou no início da tarde desta sexta-feira, 11, a presidente Dilma Rousseff não quis falar sobre a possibilidade de afastamento que parte do PMDB está defendendo. "Vamos esperar a convenção em vez de a gente ficar aqui fazendo um exercício de futurologia", declarou a presidente, sem querer comentar a possibilidade de o PMDB, principal partido da base aliada, aprovar amanhã na convenção do partido o desembarque do governo.

Dilma disse que tem conversado tanto com o vice-presidente Michel Temer, quanto com as lideranças do partido e fez questão de ressaltar a importância do PMDB para o seu governo. "Sempre converso. Eu converso com todas as lideranças", declarou a presidente, acrescentando que "o PMDB é um partido muito importante na minha base".

Apesar de desconversar sobre o tema, a presidente Dilma e o governo estão muito preocupados com a possibilidade de o partido aprovar o rompimento. Na quarta-feira, a presidente Dilma se reuniu com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e com o líder peemedebista na Casa, Eunício de Oliveira, e apelou para que os dois atuem de forma a garantir que o partido se mantenha na base aliada na convenção da legenda.

O governo quer evitar que seja votada qualquer uma das várias moções previstas para serem apreciadas pelo colegiado. Na ocasião, o presidente do Senado disse a Dilma que a legenda deve proclamar a unidade partidária e buscar a coesão das mais variadas correntes, mas avaliou que nenhuma decisão mais drástica deverá ser tomada no fim de semana.

Também o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, fez o mesmo gesto, só que procurando o vice-presidente Michel Temer, que tem mantido um certo afastamento do governo. Wagner foi ao Jaburu para se reunir com Temer. Apesar de a presidente Dilma dizer que "conversa sempre" com Temer e as demais lideranças peemedebistas, nenhum encontro ficou marcado entre o vice presidente e Dilma, nas vésperas da conversão.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX