Vaccarezza acha bom julgamento de mensalão agora

Deputado pelo PT avalia que eleitor poderá definir voto com base na decisão do Supremo e não em ‘ataques de detratores’

Bruno Lupion, de O Estado de S.Paulo

30 Julho 2012 | 12h32

O deputado federal pelo PT Candido Vaccarezza afirmou nesta segunda-feira, 30, que o julgamento do mensalão antes das eleições municipais de outubro será positivo para o processo político no País, pois a população poderá definir seu voto com base na decisão do Supremo Tribunal Federal, e não em “ataques de detratores”.

 

A posição do ex-líder do governo na Câmara contrasta com cinco advogados dos réus do mensalão, que na semana passada pediram à presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia Antunes Rocha, o adiamento do julgamento para depois do período eleitoral.

 

Vaccarezza e candidatos do PT em disputas eleitorais por todo o País, inclusive o nome do partido para a Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, se reuniram nesta segunda no Hotel Mercure, na zona sul capital, para uma sessão de fotos com o ex-presidente Lula.

 

Para o deputado federal, o julgamento da ação penal 470 permitirá que a sociedade perceba que a denúncia não tem bases materiais. “Não houve dinheiro público, não houve pagamento mensal, nem pagamento para as pessoas votarem no governo”, disse, minimizando o mensalão para um caso de caixa 2. “Se você faz caixa 2, deve ser julgado por isso. Agora, você não pode, pelo crime de caixa 2, ser acusado de corrupto, de quadrilheiro, essa coisas”, disse.

 

Ele ainda vaticinou que os partidos que explorarem o mensalão nas campanhas eleitorais deste ano colherão maus resultados nas urnas. “Em 2006, o PFL fez de sua campanha uma discussão sobre o mensalão e perdeu 40% dos seus deputados. O PSDB foi pelo mesmo caminho e também se deu mal, perdeu 30% dos deputados e a eleição para presidente. Em 2008 e 2010, quem discutiu o mensalão, também perdeu”, disse.

 

Mais conteúdo sobre:
mensalao eleições 2012

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.