1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Eleições 2014

Unica recebe Campos e critica 'falta de ação' do governo

ANA FERNANDES E ISADORA PERON - Agência Estado

27 Maio 2014 | 16h 01

A presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica), Elizabeth Farina, disse nesta terça-feira, 27, que o problema do setor com o governo da presidente Dilma Rousseff não é a falta de diálogo mas sim a falta de ações concretas. "Tenho reunião com o governo toda semana, em todos os ministérios que você pode imaginar. O que falta não é nem diálogo, é ação", afirmou. A executiva participou no início da tarde, ao lado de empresários do setor sucroalcooleiro, de reunião com o pré-candidato à Presidência pelo PSB, Eduardo Campos. Ela evitou dizer se houve uma empatia com o pré-candidato, mas disse considerar positiva a atitude de Campos: "A pessoa que quer ouvir, quer se colocar, tem a oportunidade e aproveita esse momento. Eu acho que já é positivo."

Segundo Elizabeth Farina, a Unica tem aberto o diálogo com os três principais candidatos na corrida ao Palácio do Planalto, incluindo a presidente e o senador tucano Aécio Neves. Ela informou que a associação enviou no final da manhã um documento para os três com os dados atualizados do setor e pauta de reivindicações. Esse documento deve ser divulgado pela Unica no fim da tarde de hoje.

A presidente da Unica disse que o documento, assim como a reunião com os pré-candidatos, está centrado nas estratégias para matriz energética e o papel do etanol. "O setor do etanol tem sentido impactos muito negativos da política macroeconômica em geral e também dentro da questão da matriz de energia elétrica. Hoje, só 40% das usinas exportam energia para o sistema; essa fatia poderia ser bem maior", disse Elizabeth. Sobre uma possível resistência do setor em relação à vice na futura chapa de Campos, Marina Silva, conhecida por defender causas ambientalistas, Elizabeth disse que não há "preocupação com a figura de ninguém". "A candidatura do Eduardo Campos é fortemente baseada na questão ambiental, mas acho que, se tem uma indústria que é ambientalmente colaborativa, é a indústria da cana-de-açúcar", reforçou a executiva.

Ao sair do encontro, Campos avaliou a conversa com os empresários como bastante positiva e repetiu que, em um possível futuro governo, terá uma estratégia para "resgatar o setor da situação que ele vive", lembrando que recentemente 40 usinas de cana-de-açúcar fecharam e várias pediram recuperação judicial, em consequência da política do governo federal de manter os preços da gasolina controlados. "Vimos o setor ser extremamente estimulado e hoje ele está esquecido. Nós viemos dizer que entendemos que eles têm uma importância estratégica para que o Brasil possa ter uma matriz energética mais e mais renovável", disse o pré-candidato.

Eleições 2014

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo