Turbulência política atrasa segunda etapa do ajuste fiscal

Propostas como a recriação da CPMF e de repatriação de recursos no exterior estão paradas

RICARDO BRITO, ADRIANA FERNANDES, Estadão Conteúdo

14 Outubro 2015 | 09h06

A batalha político-jurídica em torno do impeachment deve paralisar, ao menos temporariamente, a segunda etapa do ajuste fiscal na Câmara dos Deputados. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) de criação da nova CPMF, por exemplo, tem 22 dias na Casa, mas nada avançou desde então - chegou à primeira comissão, mas não há relator ainda. Outra medida, o projeto de repatriação de recursos no exterior não declarados ao Fisco, só teve o relator indicado na semana passada - ao menos neste caso há urgência constitucional.

Antes mesmo de qualquer votação para reforçar o ajuste de 2016, o governo tem que resolver com urgência a votação da redução da meta deste ano, cujo anúncio ocorreu em julho. O projeto enviado ao Congresso que corta a meta de superávit de 1,13% para 0,15% do PIB(e que dá margem para um déficit primário) ainda não foi examinado.

Mesmo com a pressão do Tribunal de Contas da União sobre as contas públicas, o governo voltou a trabalhar (com grande risco) nos relatórios de avaliação bimestral de receitas e despesas como se a meta tivesse sido alterada - prática condenada pelo tribunal.

Com o risco de a folga prevista na meta de 0,15% não ser suficiente diante da deterioração das contas públicas, a equipe econômica empurrou o problema.

Na terça-feira, 13, o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Edinho Silva, disse que a população não pode ser prejudicada com a paralisação de medidas importantes, como as de ajuste fiscal, por conta das discussões do impeachment. Segundo ele, a presidente Dilma Rousseff defendeu na reunião de coordenação política ocorrida na manhã de ontem que sejam aprovadas iniciativas como a reedição da CPMF. "Entendemos que a aprovação das medidas de ajuste são fundamentais para criar estabilidade econômica", disse.

"A CPMF, além de dar estabilidade fiscal neste momento, também é importante para a estabilidade fiscal de Estados e municípios", afirmou, destacando que o tributo é "momentâneo". (Colaboraram Bernardo Caram e Isadora Peron)

Mais conteúdo sobre:
impeachment Dilma ajuste fiscal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.