Tucano ligado a Alckmin diz que candidaturas de Maia e Meirelles poderiam acabar com governo

Silvio Torres (PSDB-SP) acredita que entrevista de Temer ao Estado esfria candidatura do ministro da Fazenda

Julia Lindner, O Estado de S. Paulo

11 Janeiro 2018 | 21h15

Aliado do governador Geraldo Alckmin, o deputado Silvio Torres (PSDB-SP) avalia que as candidaturas do ministro Henrique Meirelles (Fazenda) e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), à Presidência da República acabariam com o governo.

"Se os dois saírem candidatos, quem vai tocar o governo?", questionou Torres. Em entrevista ao Estado, publicada hoje, o presidente Michel Temer elogiou Alckmin. Ele também afirmou que a prioridade de Maia é tentar se reeleger à presidência da Câmara e que prefere que o ministro Henrique Meirelles (PSD) continue na Fazenda a disputar a eleição.

Para Torres, a entrevista de Temer foi "um gesto importante" e deu uma "esfriada grande" na candidatura de Meirelles, além de sinalizar que o presidente virou a página sobre a história de que teria ficado "chateado" com a falta de apoio do governador para votação das denúncias contra ele na Câmara. "Para o PSDB é bom. Tira aquela história que o Alckmin se isolaria, que o governo não o apoiaria de jeito nenhum."

Torres considera que o governo tem o apoio do PSDB para viabilizar a agenda econômica no Congresso, e portanto, "é bom que o partido também tenha um apoio da parte do governo". "Agora, o governo é formado por vários partidos, então uma coisa é o Temer, outra coisa é o governo, porque são vários partidos que podem ter várias opções (de candidatos)", ponderou. "O importante é que, com o governo sinalizando um apoio, a base pode ter uma boa vontade maior a uma candidatura nossa." 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.