Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » TSE inclui Solidariedade no cálculo do rateio do Fundo Partidário

Política

TSE inclui Solidariedade no cálculo do rateio do Fundo Partidário

Liminar foi concedida pelo ministro Marco Aurélio, presidente da Corte; valor ficará retido até uma decisão final do plenário sobre se a legenda tem direito ou não aos recursos

0

Ricardo Brito,
O Estado de S. Paulo

13 Janeiro 2014 | 18h08

Brasília - O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Marco Aurélio Mello, concedeu liminar para determinar a inclusão do Solidariedade no rateio da maior fatia de recursos do Fundo Partidário, que deve destinar este ano R$ 364 milhões. Dessa forma, a nova legenda, que deve se aliar nas eleições presidenciais de outubro ao PSDB do senador Aécio Neves (MG), pode ter direito a entrar na fatia dos 95% destinados proporcionalmente à votação da última eleição geral para a Câmara dos Deputados.

O cálculo será feito tendo como base o número de deputado federais que mudou de outros partidos para a Solidariedade. Atualmente, a legenda tem 22 deputados federais. Entretanto, o valor será retido pela Justiça Eleitoral até que o julgamento final de uma ação que corre no TSE e discute se, efetivamente, o partido tem direito a participar do maior bolo do fundo.

Dados do TSE mostram que, até o momento, o Solidariedade tem entrado apenas no rateio dos 5% que são distribuídos igualmente em recursos do Fundo Partidário a todas as legendas. Desde outubro, um mês após ter o registro aprovado pelo tribunal, o partido tem amealhado cerca de R$ 38 mil mensais de participação do fundo.

Se o partido vencer a ação judicial, os demais partidos que perderam deputados para o Solidariedade terão redução nos valores que recebem do fundo. Um órgão específico do tribunal está fazendo a conta da divisão.

Na ação, a nova legenda argumentou que poderia sofrer um prejuízo irreparável ao não ter direito a entrar no rateio da maior fatia do fundo. Por isso pediu o bloqueio dos valores, que mensalmente são distribuídos aos partidos. Na decisão, Marco Aurélio Mello mencionou o caso do Partido Pátria Livre, que, apesar de ter tido o direito reconhecido a fazer parte do rateio do fundo, deixou de receber por não ter feito o pedido.  

Mais conteúdo sobre: