1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Tripoli diz estar confiante para chegar ao 2º turno das prévias tucanas em SP

- Atualizado: 28 Fevereiro 2016 | 12h 44

Parlamentar que tenta a vaga tucana para disputar a prefeitura de São Paulo demonstrou, contudo, decepção com as denúncias envolvendo as candidatura de seus adversários

São Paulo - Um dos postulantes à vaga de candidato a prefeito de São Paulo pelo PSDB, o deputado federal, Ricardo Tripoli, disse neste domingo, 28, estar empolgado e confiante de que vai para o segundo turno nas prévias. Porém, acrescentou que está "entristecido" com as denúncias envolvendo as candidaturas de seus adversários durante a campanha.

"Fiquei muito chateado com o volume de denúncias, de brigas, de intrigas. Esse não é o nosso PSDB", disse o parlamentar em referência à troca de acusações feitas entre o vereador Andrea Matarazzo e o empresário João Doria Jr, que também disputam a vaga. A última campanha dos dois foi marcada por troca de acusações envolvendo uso da máquina e cooptação de militantes mediante compensação financeira.

"Não dá para fazer campanha dessa forma. Não é esse o modelo nosso", afirmou. O parlamentar disse ainda que muitas coisas saíram do controle ao manifestar reprovação à troca de ataques entre Matararazzo e Doria.

Tripoli criticou a iniciativa de Doria, que orientou apoiadores de sua candidatura a instalarem cavaletes nos entornos do diretório zonal de Perdizes, onde votou o parlamentar. Para Tripoli, o empresário agride a Lei Cidade Limpa, encampada pela gestão do PSDB na Prefeitura.

"Numa campanha como essa (das prévias) você vê que a Cidade Limpa está senda agredida por fatos que não corroboram com aquilo que o PSDB pretende", disse o deputado que, sem citar o nome de Doria, afirmou que alguns candidatos na disputa interna "não têm o que apresentar".

A lei da Cidade Limpa proíbe a realização de propaganda em áreas externas da cidade, incluindo o uso de peças publicitárias, como cavaletes.

Tripoli afirmou que o PSDB precisa buscar a unidade depois do término das prévias. "Eu trabalhei mais pela coalizão, pelo consenso, do que pela minha própria campanha", disse ele. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX