1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Tribunal de Contas e Ministério Público do TO ignoram crise e pagam auxílio-moradia

- Atualizado: 22 Janeiro 2016 | 15h 40

Sem levar em conta a situação alardeada pelo governo estadual, TCE e MPE gastam quase R$ 10 milhões, só com retroativo do benefício

PALMAS (TO) - O Tribunal de Contas (TCE-TO) e o Ministério Público do Tocantins (MPE-TO), ignorando a crise financeira do estado, decidiram gastar quase R$ 10 milhões no pagamento de retroativos do auxílio-moradia.

No TCE-TO, o custo aos cofres púbicos será de R$ 6,8 milhões a serem pagos a 26 conselheiros e procuradores. Ato neste sentido, assinado pelo presidente do tribunal, Manoel Pires, foi publicado no boletim do tribunal, terça-feira (19). O valor, a ser quitado em 47 vezes de R$ 5.588,60, refere-se, apenas, ao retroativo do benefício a dezembro de 2012, quando foi instituído. Além deste valor, a partir de agora, os integrantes do TCE-TO também receberão, mensalmente, R$ 4.377,73 de auxílio. 

Marcelo Miranda, governador do Tocantins
Marcelo Miranda, governador do Tocantins

Pires argumenta que o benefício tem amparo em decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), favorável aos magistrados, e que existe “simetria” entre os integrantes do Judiciário e do TCE.

O Ministério Público Estadual (MPE-TO), como o TCE, ignorou os problemas financeiros que o governo diz estar enfrentando e começou a pagar o auxílio-moradia retroativo a 111 promotores e procuradores. Em dezembro, eles já receberam R$ 2,6 milhões. Em nota, o MPE-TO chama de “dívida” o valor do benefício entre a data de aprovação – maio de 2013 – e a data em que começou a ser, efetivamente pago – janeiro de 2015.  Ainda faltam outros R$ 2,6 milhões, a serem quitados em 20 parcelas. O valor mensal do benefício é o mesmo do TCE-TO: R$ 4.377,00.

O MPE-TO também alega ter como base a decisão do STF e diz que o valor segue recomendação do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Governo. Na contramão dos órgãos encarregados de fiscalizar as contas e os atos do Executivo, o governador do Tocantins, Marcelo Miranda (PMDB), anunciou nesta quinta-feira, 21, em coletiva, que reduzirá de 19 para 14 o número de secretarias. Medida provisória neste sentido será editada na próxima semana. O objetivo é “racionalizar” os gastos públicos.  

Miranda não detalhou se haverá alteração no número de cargos comissionados e de contratos. Segundo o secretário da Administração, Gefferson Barros, eles representam muito pouco. Para Barros, as vantagens dadas aos efetivos, ao longo dos anos, compõem a principal despesa da folha.

O governador também informou que o 13º salário dos servidores que ganham mais de R$ 3.152,00 (quatro salários mínimos) estará na conta neste sábado (23). Segundo a Secretaria de Administração, são 8.030 pessoas e a folha chega a R$ 73 milhões. Em 23 de dezembro, 41.030 servidores receberam o 13º, incluindo 2.548 da Educação, que ganham acima de quatro mínimos. Naquela data, a folha ficou em cerca de R$ 77 milhões.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX