1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Tratamento diferenciado a detentos revolta outros presos, diz ministro do STF

Mariângela Gallucci - O Estado de S.Paulo

09 Maio 2014 | 14h 04

Filha do ex-ministro José Dirceu, condenado no processo do mensalão, teria furado a fila para visitá-lo na Papuda

BRASÍLIA - O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta sexta-feira, 9, que uma prisão é "uma panela de pressão" e que a concessão de tratamento diferenciado a determinados presos pode provocar indignação e revolta na penitenciária. A declaração foi dada como resposta a perguntas de jornalistas sobre a notícia de que uma das filhas do ex-ministro José Dirceu teria furado a fila para visitá-lo no Complexo Penitenciário da Papuda.

"Penitenciária, até pela superpopulação, pelas condições desumanas, é uma panela de pressão. Gera indignação e gera revolta tratamento diferenciado. Os denominados reeducandos devem ter o mesmo tratamento", afirmou o ministro, ressaltando que não estava comentando o caso concreto.

"O tratamento em penitenciária deve ser igualitário sob pena de termos uma reação dos demais custodiados. Não cabe o tratamento presente a figura do condenado. Mas o tratamento segundo as regras estabelecidas de forma abstrata em relação a todos os presos", completou.

Marco Aurélio lembrou que o presidente do STF, Joaquim Barbosa, deverá decidir em breve sobre um pedido de José Dirceu para trabalho fora do presídio. No entanto, em despachos assinados ontem, Barbosa derrubou decisões da Justiça de Primeira Instância que tinham autorizado o ex-deputado Romeu Queiroz e o advogado Rogério Tolentino a realizar trabalho externo.

De acordo com o presidente do STF, o benefício somente pode ser concedido após o cumprimento de pelo menos um sexto da pena, o que ainda não ocorreu. Assim como José Dirceu, os dois foram condenados por participação no esquema do mensalão. Marco Aurélio sinalizou que concorda com Joaquim Barbosa. Para ele, há regras que devem ser cumpridas para a concessão de benefícios a presos. "E devolvo a pergunta: os demais condenados têm essa prerrogativa de deixar a penitenciária durante o dia para trabalhar externamente e só se recolher à noite?"

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo